nsc
an

Regularização

Moradores da Vigorelli comemoram anúncio de investimentos após quase 50 anos em Joinville

Acordo entre prefeitura e MPF permite instalação de infraestrutura, como energia elétrica, água, esgoto e asfalto

05/07/2021 - 14h42

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Vista aérea da Vigorelli
Ação do MPF sobre a preservação da Vigorelli iniciou em 1999
(Foto: )

Os moradores da Vigorelli estão comemorando o anúncio de investimentos em infraestrutura na praia de Joinville. São quase 50 anos desde a chegada do primeiro morador ao local e apenas neste mês a prefeitura assinou um acordo com o Ministério Público Federal (MPF) para a regularização fundiária da região.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O aposentado Nito Monteiro Magalhães é conhecido como o primeiro morador da Vigorelli e desde que chegou ao local enfrenta dificuldades pela falta de infraestrutura. Por ser uma área de preservação ambiental, a região não teve investimentos nem na instalação de energia elétrica, mesmo com a chegada de novos habitantes.

- Um dos maiores problemas é a energia elétrica. Como a gente vai armazenar a mercadoria? Temos que comprar apenas o que vamos consumir - comentou em entrevista à NSC TV.

Nito contou que o filho volta da pesca com vários peixes, mas precisa ligar um gerador de energia para manter os alimentos frescos. Segundo o aposentado, o gasto é de aproximadamente R$ 3 mil de óleo por mês.

Além de caro, os geradores ainda incomodam durante a noite e dificultam o sono dos moradores, segundo a comerciante Elisângela da Silva. Ela mora na Vigorelli há mais de 20 anos e não tinha nem acesso à água quando chegou ao local. Hoje está esperançosa para receber energia elétrica, saneamento básico e asfalto.

- Quando vim morar aqui, minha filha tinha dois anos e eu sempre dizia que criaria meus filhos e netos, mas a luz não viria. Pois agora meu neto está com 11 anos e a energia vai chegar. Vai ser muito bom porque todo mundo aqui merece - conta.

Conciliação permite investimentos 

Um ação judicial apresentada pelo MPF, em 1999, vinha se arrastando ao longo dos anos sem um acordo entre as partes envolvidas. Ela cobrava a preservação da localidade às margens da Baía da Babitonga.

Em 2013, uma decisão judicial determinou uma série de medidas, como a realocação de parte dos moraodres e dois anos depois houve um acorde entre prefeitura e MPF, mas não foi homologado pela Justiça. Apenas agora, a concilição entre os órgãos permite a regularização fundiária da Vigorelli. 

O acordo prevê um prazo de três anos para cumprimento das etapas. As iniciais preveem uma série de estudos e levantamentos sobre a regularização fundiária, meio ambiente, urbanismo e projetos de infraestrutura.

Calçadão nas proximidades da orla faz parte do planejamento da prefeitura para a Vigorelli
Calçadão nas proximidades da orla faz parte do planejamento da prefeitura para a Vigorelli
(Foto: )

Obras devem começar em 2022

As obras devem começar no próximo ano. Será possível realizar a recuperação ambiental e instalação de infraestrutura, como abastecimento de água e energia, iluminação pública, tratamento de esgoto, drenagem, entre outros investimentos. 

As projeções apresentadas pela prefeitura já adiantam planos para a orla da Vigorelli, com recuperação do trapiche, instalação de áreas de convivência e calçadão, entre outros equipamentos. Também há previsão de atracadouro, centro social, ciclofaixa e mercado para peixes.

Leia também:

Manifestação de indígenas fecha a BR-101 em Araquari e tem confusão com motoristas; assista

Joinville amanhece com temperatura de -1,8°C na região da Serra Dona Francisca

Em julho, 16,6 mil pessoas em Joinville vão receber a segunda dose da vacina contra Covid

Colunistas