nsc

publicidade

Seu Problema é Nosso

Moradores reclamam de serviços em postos de saúde 

Falta de acessibilidade, soro e médicos foram as queixas dos cidadãos 

18/03/2019 - 07h00

Compartilhe

Por Dayane Bazzo
Postos dos bairros Saco Grande, Campeche e do Continente estão sem profissionais e materiais básicos
Postos dos bairros Saco Grande, Campeche e do Continente estão sem profissionais e materiais básicos
(Foto: )

Moradores de Florianópolis procuraram a redação da Hora de SC relatando diversos problemas nas unidades de saúde da Capital. Denunciaram que os postos dos bairros Saco Grande, Campeche e do Continente estavam sem profissionais e materiais básicos como curativos e medicamentos. No Saco Grande também não há vaga de estacionamento exclusivo para cadeirantes e o elevador da unidade está quebrado.

O mecânico aposentado Maurício dos Santos, de 33 anos, precisa ir até o posto do Saco Grande uma vez por mês para fazer curativos. Ele é cadeirante e o primeiro problema que enfrenta é a falta de estacionamento para deficientes físicos.

– Como não tem vaga exclusiva para eu parar, tenho que dar um jeito, levar alguém junto ou deixar o carro no estacionamento no subsolo, porém, o elevador que leva para o primeiro andar está quebrado – reclama.

Se isso não fosse o bastante, Maurício ainda precisa comprar os materiais que usa nos curativos, como chumaço específico para as feridas e fita adesiva. Por mês, ele gasta entre R$ 250 e R$ 300 com estes materiais porque estão em falta no posto de saúde há, pelo menos, seis meses.

No caso de Angélica Rodrigues, 35, que também é paciente do mesmo posto, o problema é a falta de médico. Segundo ela, que está gravida de sete meses, o acompanhamento pré-natal foi feito por uma enfermeira desde dezembro de 2018 porque não há clínico geral para sua necessidade médica.

– Esta situação está muito complicada, somos prejudicados porque não temos médico, se temos uma urgência precisa ir ao hospital ou UPA – diz.

No posto Continente o problema é a falta de soro. Odílio Lucinete Osório, 74, precisou ir até a unidade na semana do Carnaval porque estava se sentindo mal. Depois de esperar um longo tempo para ser atendido, o médico informou que não havia soro, que estava em falta há 30 dias.

– Isso é uma vergonha, não fui medicado porque não tinha soro, o médico escreveu na receita isso, falta de soro, uma vergonha para cidade – protesta.

Sem atender o telefone

Já no posto do Campeche, a cuidadora Rose Meire Arthur, 58, reclama da falta de atendente. Isso mesmo, ela ligou para a unidade de saúde, mas não foi atendida. Então precisou ir até o local para tirar uma dúvida.

– Fui lá, porque eu liguei, mas ninguém me atendeu.

Duas meninas estavam na recepção e falaram que não tinha gente pra atender ao telefone, ou seja, para ter uma informação tem que ir até lá. Cadê o serviço que o prefeito prometeu que ia ser tudo por telefone? – questiona.

O que diz a prefeitura

A Secretaria de Saúde de Florianópolis esclareceu, por meio da assessoria de comunicação, que não há falta de médico no posto do Saco Grande. Segundo a prefeitura, o município “segue protocolos internacionais que incluíram enfermeiros no atendimento aos pacientes. Geralmente, o enfermeiro faz o atendimento e encaminha ao médico caso houver necessidade”, diz a nota. Ainda, garante que não há falta de materiais para fazer curativo na unidade. O médico, inclusive, teria solicitado que seja dispensado um número maior de materiais para o paciente. “A equipe já está avisada e a quantidade será entregue conforme a orientação médica”, diz a administração.

Em relação à vaga exclusiva para deficiente físico, a secretaria admitiu o erro e garante que vai implantar o espaço nas próximas semanas. Já sobre o elevador, segundo a prefeitura, ele está sem funcionar desde 25 de fevereiro por problema técnico. O órgão deve contratar uma empresa que fará a manutenção dos elevadores de toda a rede de saúde do município, porém, ainda não tem data para o reparo.

No posto do Novo Continente, a secretaria afirma que a unidade possui estoque de soro de 500 ml para reidratação intravenosa e que vai averiguar porque foi passada ao paciente a informação contrária.

Sobre o Campeche, o administração nega a falta de profissionais, “inclusive a coordenação da unidade elaborou escala de trabalho específica para atender as chamadas telefônicas”.

Onde cobrar

A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis fica na Avenida Professor Henrique da Silva Fontes, 6100, bairro Trindade. O telefone é (48) 3239-1500.

Também vale entrar no site da prefeitura e acessar a aba Ouvidoria para fazer elogios, sugestões, reclamações e pedidos.

Deixe seu comentário:

publicidade