nsc
dc

Longe do estresse

Morar em rua com muito barulho pode engordar

Pesquisa mostra relação entre ruídos de tráfego e aumento da circunferência abdominal

28/05/2015 - 12h05 - Atualizada em: 28/05/2015 - 12h39

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Um estudo publicado no jornal Occupational & Environmental Medicine indica que a exposição aos ruídos de tráfego está relacionada a um risco maior de aumento da gordura na região abdominal.

Como o barulho do dia a dia pode causar ansiedade, insônia e outros distúrbios

Pular refeições pode aumentar a gordura abdominal

A pesquisa realizada entre 2002 e 2006 avaliou a exposição aos ruídos dos tráfegos rodoviário, ferroviário e de aeronaves em residências de mais de cinco mil pessoas que vivem em áreas suburbanas e semi-rurais de Estocolmo, na Suécia.

Pesquisadores usaram dados oficiais do país sobre estradas, fluxo de veículos, velocidade e barreiras acústicas de cinco cidades. Os participantes também responderam a um questionário com dados pessoais sobre estilo de vida e trabalho, além de serem submetidos a exames de saúde.

Consumo de refrigerante diet pode aumentar gordura na barriga

Barulho excessivo pode levar profissionais à perda auditiva

Os resultados mostraram relação entre o nível de ruído ao qual as pessoas estavam expostas com a medida da circunferência da cintura. Especialistas afirmaram que estresse e noites mal dormidas, por serem consequências desses barulhos, também podem ser fatores responsável pelo aumento da gordura abdominal.

Cinturas maiores foram associadas à exposição a qualquer uma das três fontes de ruído - ferroviário, rodoviário e aeronáutico. De acordo com o estudo, a ligação foi mais forte para ruídos provocados por aeronaves. E por haver um efeito cumulativo: quanto maior o número de fontes às quais as pessoas estão expostas, maior pode ser o acúmulo de gordura abdominal.

Leia mais sobre saúde e bem-estar

- O ruído do tráfego pode influenciar suas funções metabólicas e cardiovasculares por meio de distúrbios do sono e estresse crônico - afirma Andrei Pyko, do Instituto Karolinska, da Suécia.

Colunistas