nsc
    dc

    Em Santa Catarina

    Movimento de fim de ano foi melhor para 70% dos donos de bares e restaurantes

    Pesquisa feita pela Abrasel revela que problemas de infraestrutura não afetaram resultado no feriadão

    08/01/2014 - 17h31 - Atualizada em: 08/01/2014 - 20h00

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Em Florianópolis, o índice de percepção de crescimento no movimento de final de ano foi menor do que a média estadual.
    Em Florianópolis, o índice de percepção de crescimento no movimento de final de ano foi menor do que a média estadual.
    (Foto: )

    Os problemas de infraestrutura não impediram que os bares e restaurantes do Litoral catarinense tivessem um excelente resultado no feriadão de final de ano. Para 70% dos entrevistados em uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no Estado, o fluxo de clientes foi melhor do que no mesmo período do ano passado.

    Apesar dos episódios de falta d'água e energia - que afetaram 50% dos entrevistados -, o movimento no período foi bom ou excelente para 91% dos donos de bares e restaurantes. A pesquisa foi feita com 100 estabelecimentos entre os dias 22 de dezembro e 5 de janeiro e divulgada nesta terça-feira.

    Para Fábio Queiroz, presidente da Abrasel em Santa Catarina, o fator principal que motivou o resultado foi o aumento no fluxo de turistas no Estado.

    - O resultado comprova a força que o nosso destino tem para atrair turistas do Brasil e do exterior - disse.

    Comemorado pelos empresários, o aumento do número de turistas pode gerar desconforto para os clientes. Filas na porta dos restaurantes para conseguir mesa e demora para ser atendido e pagar a conta entram na lista de reclamações. Para o presidente, a espera é um reflexo do excesso de pessoas, mas não significam que os restaurantes deixem de atender bem aos clientes.

    - Excesso de clientes não é motivo para perda de qualidade. Ninguém gosta de ficar na fila, mas, em geral, as casas oferecem uma boa gastronomia apesar do tempo de espera.

    Em todo o Estado, o número de paulistas foi o que mais chamou a atenção dos donos de bares e restaurantes que responderam à pesquisa - 40% deles receberam turistas de São Paulo. A presença de estrangeiros ficou estável para 60% dos entrevistados.

    Falta de mão de obra é o principal problema do setor

    Encontrar profissionais e montar uma equipe treinada é um desafio para os empresários de bares e restaurantes catarinenses. Para 62% dos entrevistados na pesquisa da Abrasel, esse foi o principal problema apontado no período. Além de terem dificuldade para recrutar pessoas, 40% afirmam que não estavam satisfeitos com a qualidade do time, que estaria incompleta, seria ineficiente ou insatisfatória.

    - A falta de mão de obra não atinge só o nosso setor, mas temos dificuldades porque a rotatividade é grande. Além disso, somos uma área que recebe muitas pessoas que estão iniciando a vida profissional e tem pouca qualificação - afirmou.

    De acordo com Queiroz, apesar das tentativas de reverter a situação, esse problema deve permanecer até a próxima temporada.

    Norte de Florianópolis tem melhor resultado

    Em Florianópolis, o índice de percepção de crescimento no movimento de final de ano foi menor do que a média estadual - 63% em relação aos 70% em SC. O norte da Ilha concentrou os melhores resultados, com 87% dos donos de bares e restaurantes avaliando como bom ou excelente o movimento no período e 80% como melhor ou muito melhor do que o mesmo período do ano passado.

    De acordo com Fábio Queiroz, da Abrasel, o resultado reflete o perfil sazonal da região que conta com Jurerê, Canasvieiras e Ingleses.

    - É um período muito forte para a área que durante o inverno tem uma queda grande no movimento.

    No restaurante Antonio?s, há 29 anos instalado na Cachoeira do Bom Jesus, a equipe foi ampliada com a contratação de 10 pessoas. A falta de abastecimento foi contornada com duas sisternas e caixa d?água com capacidade para 40 mil litros, o que permitiu que o restaurante funcionasse a pleno. No feriado, o fluxo de clientes foi impulsionado por gaúchos, goianos e mato-grossenses. A partir da próxima semana, é esperada a chegada massiva de argentinos.

    Em Sambaqui, o restaurante Pitangueiras fechou as portas durante quatro horas devido à falta de luz. Uma caixa com capacidade para 40 mil litros garantiu que ele ficasse aberto apesar da falta d?água. Apesar dos transtornos, o resultado foi positivo.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas