O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) instaurou um procedimento administrativo para apurar se houve falha na segurança do Presídio Masculino de Tubarão, no Sul de catarinense, durante a morte de um dos detentos da unidade. A vítima foi encontrada morta em dezembro do ano passado, após ser atingida com golpes de tubo de caneta por um colega de cela.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Conforme a 9ª Promotoria de Justiça da Comarca de Tubarão, o procedimento tem como objetivo apurar as circunstâncias que levaram ao crime. Entre elas, a conduta funcional dos policiais penais. Além de uma possível falha na segurança, a ação quer saber se houve uma suposta negligência, principalmente por conta da informação de que ocorreu uma troca de presos nas celas.

Homicídios caem, mas SC fecha 2023 com crescimento de 79% nas mortes em confronto

O MP apura, ainda, quais as providências que estão sendo tomadas após o ocorrido para evitar a situação de perigo e garantir a segurança do local. O procedimento ainda está na fase inicial.

Continua depois da publicidade

Em nota, a Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) informou que a Corregedoria também investiga a suspeita de falha nos procedimentos realizados pelos servidores no dia do assassinato. A pasta salienta, ainda, que assim que a agressão foi identificada, a equipe de saúde da unidade prisional prestou atendimento imediato até a chegada do Samu.

“Importante destacar que todos os protocolos administrativos foram seguidos, incluindo a notificação dos familiares e das autoridades de controle competentes”, conclui a nota.

Discussão motivou assassinato

O crime ocorreu na manhã de 12 de dezembro. Segundo a denúncia apresentada pelo MP, o suspeito pelo crime teria ido até a cela onde estava a vítima e, após imobilizá-la, a golpeou com um tubo de caneta esferográfica.

De acordo com o promotor de Justiça Stefano Garcia da Silveira, o crime ocorreu após uma “prévia e insignificante discussão” entre o autor e a vítima. Além disso, ele afirma que o crime foi feito de maneira inesperada, sem que o ofendido pudesse se defender do ataque.

Continua depois da publicidade

O detento foi denunciado por homicídio com as qualificadoras de motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima. Ele também foi denunciado por organização criminosa já que, após o crime, ele teria entregue para policiais penais um bilhete, assinado por uma facção, que reivindica por “melhores condições carcerárias”.

A denúncia foi aceita pelo Poder Judiciário e o detento, agora, é réu na ação.

Leia também

SC tem queda de 85% no número de armas registradas para defesa pessoal em 2023

Sistema prisional de SC tenta reencontrar 63 foragidos de saída temporária

Destaques do NSC Total