O Ministério Público Federal (MPF) em Chapecó ingressou com ação civil pública em que pede reparação dos danos materiais e morais sofridos pelas 68 vítimas e familiares brasileiros do acidente da Chapecoense, ocorrido em 29 de novembro de 2016. Há três anos, o avião da LaMaia que levava a delegação do clube, jornalistas e convidados caiu na Colômbia. A ação visa garantir as indenizações dos quatro sobreviventes e 64 mortos que estavam no voo e que até agora não receberam os devidos valores.

Continua depois da publicidade

Após audiência realizada na Comissão de Relações Exteriores do Senado, em 15 de agosto, representantes das vítimas do acidente formularam representação ao MPF em Chapecó com novos fatos e documentos. A atitude gerou a defesa coletiva dos direitos dos familiares e vítimas sobreviventes como consumidores do serviço de transporte aéreo. A ação civil pública do MPF apresenta pedidos e fundamentos mais amplos do que as ações individuais já ajuizadas por algumas das vítimas e familiares.

A ação aguarda a deliberação da Justiça acerca dos pedidos liminares formulados pelo MPF.

O voo da delegação da Chapecoense partiu de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e tinha como destino a cidade de Medelin, na Colômbia, cidade em que a Chape faria o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana diante do Atlético Medelin. O relatório final do Grupo Colombiano de Investigação de Acidentes Aéreos apontou a falta de combustível como uma das principais causas do acidente. Entre os 71 mortos, 64 eram brasileiros – jogadores, integrantes da comissão técnica e dirigentes da clube, jornalistas e convidados.

Em setembro famílias de vítimas e o sobrevivente Neto estiveram em Londres para protestar pelas indenizações de seguradoras com sede na capital da Inglaterra.

Continua depois da publicidade

Mais notícias sobre a Chapecoense no NSC Total.

Destaques do NSC Total