nsc
dc

História

Mulher gera bebê para irmã mais nova no Sul de SC: “era o sonho dela”

A decisão aconteceu quando as irmãs ainda eram adolescentes; a mais nova descobriu uma má-formação do útero, aos 17 anos, e não poderia ter filhos

24/08/2021 - 17h20 - Atualizada em: 24/08/2021 - 17h24

Compartilhe

Diane
Por Diane Bikel
Manuella, a irmã mais nova, segura o bebê gerado por Michelle
Manuella, a irmã mais nova, segura o bebê gerado por Michelle
(Foto: )

Uma decisão tomada por duas irmãs ainda na adolescência deu origem a uma história que parece novela no Sul de SC. Michelle Francine Pereira de Oliveira de Souza, aos 38 anos, foi barriga solidária para a irmã mais nova, e o final feliz chegou. O bebê nasceu no último dia 17, por volta das 14h, em Tubarão.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Mãe dá à luz após ser barriga solidária da própria filha em Florianópolis

A decisão veio depois que Manuella Fernanda Pereira de Oliveira Alves, a irmã mais nova que hoje tem 36 anos, descobriu que não poderia ter filhos, aos 17 anos. A má-formação do útero a impediria de gerar uma criança e, por esse motivo, Michelle, a mais velha, se solidarizou e decidiu desde então que ajudaria quando a irmã quisesse ser mãe.

- Aos 30 anos, minha irmã começou com a vontade de ter filhos. Primeiro, ela pensou na minha mãe [para ser barriga solidária], mas por conta da idade não quis arriscar. Então, ela entrou pra fila de adoção, onde ficou por três anos e nada aconteceu - conta Michelle.

Michelle, que aos 38 anos não queria mais engravidar depois de ter dois filhos - um menino e uma menina - viu a irmã não conseguindo realizar o sonho de ser mãe. Nesse momento, decidiu que cumpriria o combinado da adolescência.

- Falei com meus filhos, com o meu marido e com toda a família e eles aceitaram. Quando fomos contar pra minha irmã e pro marido dela, que é o namorado desde a adolescência, a emoção tomou conta - diz.

> Vida saudável como parte da rotina: Conheça a história da personal Jeruza Matos

A fertilização in vitro aconteceu em São Paulo e a transferência do embrião foi feita em novembro do último ano, também no Estado paulista.

- Depois da transferência esperamos alguns dias e o resultado deu positivo. Nosso bebê milagre estava a caminho - relembra Michelle.

O planejamento era de que o parto fosse normal, mas a demora de João Guilherme para nascer fez com que Michelle precisasse fazer cesárea. Durante os nove meses, Manuella acompanhou a irmã em todos os processos da gravidez, mesmo morando em Joinville. As duas são naturais de Imbituba, e o bebê nasceu em Tubarão.

- Quando ele nasceu, o sentimento foi só de gratidão. Poder ver minha irmã com o sonho realizado, saber que ela conseguiu o que queria, pra mim é uma emoção muito grande. Eu sou mãe de dois e sei como é esse sentimento - conta a irmã que foi barriga solidária.

> Introdução alimentar de 6 meses; como começar

João Guilherme nasceu e Michelle ganhou um outro presente: ser madrinha do menino.

- Amo ele como meu sobrinho, um amor gigantesco. Estou bem ciente desde o início do processo que ele é filho da minha irmã, tanto que em meu ventre, quando conversava com ele, eu era a dinda que estava cuidando até que a mamãe chegasse - enfatiza. 

- Faz parte de mim, é minha família - completa Michelle.

*Sob supervisão de Vinícius Dias.

Leia também

Amamentação é fundamental no amadurecimento do sistema imunológico e para nutrição cerebral

Filha de soldado baleado no assalto ao Banco do Brasil tem sonho realizado

Caminhão desgovernado causa série de acidentes em Ituporanga e deixa criança em estado grave

Semana com apenas 4 dias? Saiba como trabalhar menos e ganhar mais

Colunistas