O Museu Nacional da Imigração e Colonização de Joinville (MNIC) oferece a consulta ao acervo digital à comunidade e às escolas que desejam conhecer mais sobre o patrimônio histórico e os processos de imigração que construíram a identidade cultural da cidade.

Continua depois da publicidade

O projeto da consulta ao acervo digital do museu foi desenvolvido pelo curso de Sistemas de Informação da Universidade da Região de Joinville – Univille, com patrocínio da Prefeitura de Joinville, por meio do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (SIMDEC). O Museu Casa Fritz Alt também oferece essa experiência no mesmo site.

A ferramenta oferece funcionalidades para diferentes públicos. De qualquer lugar do mundo é possível conhecer parte do acervo do museu acessando o link http://museu.univille.br:8080/consultamuseu/web/. O acervo virtual do Museu da Imigração conta com cerca de três mil itens cadastrados, como peças de mobiliário, indumentárias, louças, porcelanas, documentos pessoais de imigrantes e de terras da região, reproduzidos em imagens tridimensionais e fotos.

Para os Centros de Educação Infantil (CEI) e escolas da rede municipal de ensino de Joinville, o acervo digital do MNIC oferece uma funcionalidade diferenciada, onde o professor pode, inclusive, planejar a sua aula acessando o link http://museu.univille.br:8080/escolamuseu/. Após se cadastrar no sistema, o professor pode selecionar o tipo de acervo, de acordo com o tema que pretende abordar com os alunos como mobilidade, edificações, patrimônio, modernidade, técnicas construtivas e imigração.

Os alunos também podem acessar o acervo digital por meio do aplicativo Museu Virtual Joinville, que está disponível para tablets e smartphones com sistema operacional Android.

Continua depois da publicidade

Segundo a educadora do museu Elaine Machado, embora a consulta ao acervo digital já seja utilizada de forma significativa, é preciso que os professores se apropriem efetivamente da ferramenta.

— Estamos lidando com o nosso patrimônio, nosso processo de imigração. Queremos disseminar o conceito de objeto gerador, ou seja, tomar um objeto como referência para construir um tema — reforça Elaine.

E exemplifica:

— Para discutir o tema imigração, o professor utiliza como referência determinado objeto do museu. Por exemplo, a casa enxaimel, a imagem de um passaporte ou até mesmo de uma mala. A partir desse objetivo, ele constrói todo o cenário que possibilitou a imigração nos séculos XIX e XX.

A ferramenta pode ser utilizada, inclusive, em escolas onde não há acesso à internet. Nesse caso, o professor pode planejar a aula, salvar o conteúdo no código de barras que é gerado pelo sistema e fazer a projeção das informações no datashow.

Continua depois da publicidade

A equipe de educadores do Museu Nacional da Imigração e Colonização está à disposição dos professores da rede municipal para fornecer mais informações sobre o uso da consulta ao acervo digital. O contato pode ser feito pelo e-mail educativo.mnic@joinville.sc.gov.br ou pelo telefone (47) 3453-3499.

Além da comunidade em geral e das escolas, a consulta ao acervo digital do MNIC beneficia outro público: as pessoas com deficiência visual. O site http://museu.univille.br:8080/consultamuseu/web/ é acessível e permite navegação com autonomia, independência e facilidade.

Leia mais:

Museu da Imigração de Joinville não tem data para reabrir a visitação

Entenda o projeto de revitalização do Museu de Imigração e Colonização

Destaques do NSC Total