nsc
an

34º Festival de Dança

Noite de Gala do Festival de Dança tem versão moderna de Cinderela

Ballet do Teatro Guaíra apresenta versão do coreógrafo espanhol Gustavo Ramirez Sansano

24/07/2016 - 14h54 - Atualizada em: 24/07/2016 - 16h59

Compartilhe

Por Redação NSC
Versão coloca a Cinderela nos anos dourados da metade do século XX, quando o convite real para o baile dá lugar a um anúncio de TV
Versão coloca a Cinderela nos anos dourados da metade do século XX, quando o convite real para o baile dá lugar a um anúncio de TV
(Foto: )

A história é velha conhecida: moça órfã é maltratada pela madrasta e pelas irmãs adotivas invejosas, mas vê a sorte mudar quando consegue ir ao baile do príncipe. No entanto, o que o Ballet do Teatro Guaíra, de Curitiba, apresentará hoje na Noite de Gala do 34º Festival de Dança de Joinville é diferente de tudo o que já foi visto no teatro, no cinema e nos livros de contos de fadas.

A versão do coreógrafo espanhol Gustavo Ramirez Sansano coloca a Cinderela nos anos dourados da metade do século XX, quando o convite real para o baile dá lugar a um anúncio de TV, o castelo vira mansão e o príncipe encantado, um playboy que dirige um carro conversível. O grande toque de magia no palco, mais do que a transformação da Gata Borralheira na moça mais bela da festa, é transferir o clássico para um balé contemporâneo, que se confunde com um musical.

Confira a programação completa do 34º Festival de Dança de Joinville

- Cinderela é um conto muito popular, que está no imaginário de todos. No entanto, suas versões para balé clássico de repertório não são muito conhecidas nem montadas pelas companhias - conta a curadora artística do Festival de Joinville, Mônica Mion.

- Por isso é interessante trazer estes elementos para aqueles que fazem parte do nosso dia a dia e usar a história de forma a aproximar os jovens do balé.

O espetáculo conta com inovações técnicas, como a transmissão ao vivo da busca do príncipe pela moça misteriosa que perdeu o sapatinho, enquanto o bailarino percorre a plateia e interage com os espectadores. Mônica chama a atenção para o fato de que, cada vez mais, os bailarinos precisam ser artistas completos, mesmo que contem com especializações em um determinado gênero, e atuar também faz parte dos atuais requisitos.

Por isso, Cinderela é uma escolha perfeita para a Noite de Gala do Festival de Joinville, já que mistura inovações artísticas e as apresenta a estudantes e coreógrafos que participam do evento; e garante o caráter espetacular que o público em geral espera das noites especiais.

- Está certo que, na dança, o corpo é a principal forma de expressão, mas o bailarino precisa ter as ferramentas para o que o coreógrafo quiser criar - analisa ela, que fez carreira no Balé da Cidade de São Paulo, onde atuou como solista entre os anos 1980 e 2000, e foi diretora por quase dez anos.

A versão do Ballet do Teatro Guaíra foi criada em 2014, para as comemorações dos 45 anos da companhia mantida pelo Governo do Estado do Paraná. Ela é, possivelmente, a companhia que mais vezes se apresentou nas noites especiais do Festival de Joinville, com a primeira participação em 1984, dando início à tradição dos grandes espetáculos, e outras cinco apresentações desde então.

Nesta noite, no entanto, ela vem em um momento complicado: uma decisão do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) declarou que cargos de comissão dos bailarinos, assim como dos músicos da Orquestra Sinfônica do Paraná, são inconstitucionais e todos devem ser exonerados imediatamente. Neste caso, 22 bailarinos deveriam ser desligados da companhia, deixando as apresentações do Ballet do Teatro Guaíra sem condições de ocorrer. A Procuradoria Geral do Estado está entrando com pedido de adiamento da extinção dos cargos.

Para Mônica, a manutenção do Ballet do Teatro Guaíra é fundamental, dada sua importância para a história da dança no Brasil.

- É raro, no nosso país, companhias de dança com uma trajetória tão longeva. Grupos como o Ballet do Teatro Guaíra tiveram início em um momento muito interessante, durante a ditadura militar, nos anos 1970, e, como os censores não entendiam, viraram os porta-vozes dos artistas na época - afirma.

Agende-se:

O QUÊ: Noite de Gala com o espetáculo Cinderela, do Ballet do Teatro Guaíra

QUANDO: segunda-feira, às 20 horas

ONDE: Centreventos Cau Hansen (avenida José Vieira, 315)

QUANTO: ingressos com diferentes valores à venda na bilheteria do Centreventos a partir das 13 horas e no site festivaldedanca.com.br

Colunistas