publicidade

Esportes
Navegue por

Vida de triatleta

O negócio é superação: Ironman gera valores aplicáveis ao mercado de trabalho

Prova de triatlo de resistência que acontece neste domingo em Florianópolis exige também características desejáveis para cargos de liderança; administradores, professor e empresário aplicam ensinamentos na profissão

25/05/2019 - 10h17 - Atualizada em: 25/05/2019 - 15h45

Compartilhe

João Lucas
Por João Lucas Cardoso
O professor Célio Herardt Júnior mudou de vida a partir do triatlo e do Ironman
O professor Célio Herardt Júnior mudou de vida a partir do triatlo e do Ironman
(Foto: )

Disciplina, resiliência e comprometimento. Características procuradas por recrutadores de grandes empresas para cargos de confiança, são qualidades exigidas também para encarar o Ironman, a prova de triatlo de resistência mais conhecida no mundo, que envolve natação, ciclismo e corrida. Neste domingo (26), em Florianópolis, dois terços dos 1,5 mil competidores inscritos têm a idade que se enquadra no perfil de referência no trabalho, entre os 35 e 50 anos.

Todos buscam algo mais que completar os 3,8 quilômetros nas águas do mar, 180 sobre a bicicleta e 42 correndo. Cada um vai levar para vida, e consequentemente para a carreira, valores comungados pelo esporte.

O Ironman não é uma prova física: ela é mental. De acordo com o fisiologista e treinador de triatlo Roberto Lemos, também proprietário de uma assessoria esportiva voltada à modalidade, para completar a competição é necessário estar apoiado no tripé resistência-resiliência-disciplina.

— Resistir é ficar mais tempo em atividade, mais tempo focado e atento ao que se faz. É necessário ter resistência física e mental. A resiliência tem a ver com a capacidade de se recompor. A disciplina não é só organização. Se a pessoa se determinou a fazer uma atividade, tem que se exigir. A motivação, na verdade, serve apenas no primeiro momento _ explica Lemos.

São estas e outras características implícitas de um ironman que iniciaram uma onda recente nos Estados Unidos. Executivos, CEOs e administradores têm se submetido à longa preparação _ estimada em um ano _ e a completarem a prova para terem no currículo, na assinatura de e-mail e no cartão de visita a logomarca do evento esportivo associada ao nome. É que a experiência de um Ironman deixa subentendido valores que não estão na descrição do profissional.

— Além da formação, quando coloca que é um ironman, estão nas entrelinhas algumas características muito desejáveis para quem contrata. Eu sei que ele é disciplinado, que é focado, sei que ele tem rotina no que fez e um profundo desejo por atingir objetivos. Quando coloca isso no currículo, sei que traz todas essas características sem precisar escrevê-las, até porque não se escreve isso em um currículo comenta o gestor consultor e gestor de carreiras, Juliano Tobias.

O que ocorre no mercado de trabalho norte-americano começa a virar tendência no Brasil. Segundo o administrador e coach Cláudio Vicente, os recrutadores já entendem que um Ironman completado tem peso diferente de uma especialização em determinada área. Isso porque se submeter à dura preparação e à prova em si provê valores que são absorvidos somente para quem pratica, enquanto a parte técnica pode ser adquirida depois e especificamente para a função contratada.

— Se uma empresa estiver fazendo a seleção para vaga de executivo e tiver dois currículos, o de alguém que tem três MBAs e outro que tem menos, mas completou um Ironman, por exemplo, tem alguma vantagem. A empresa sabe que esse cara tem competências que serão úteis no exercício da função e que não são adquiridas em MBA. As empresas têm olhado isso como um diferencial e optam por quem fez alguma coisa extraordinária, como um Ironman.

Célio Herardt Júnior: "Aprendi a aproveitar o tempo"
Célio Herardt Júnior: "Aprendi a aproveitar o tempo"
(Foto: )

Organização para nadar 3,8 mil metros

Célio Herardt Júnior andava sobrecarregado. Professor especializado na preparação de alunos ao vestibular, a vida se resumia ao trabalho. Chegou ao ponto de lecionar em 13 escolas diferentes a cada semana. O sábado e domingo estavam comprometidos com a correção de provas e a profissão secundária, de fotógrafo. Mas ao assistir a largada do Ironman Brasil, em 2009, um desejo surgiu para mudar sua vida para sempre.

Em 2011 ele começou os treinamentos de natação, ciclismo e corrida. Dois anos depois, encarava a primeira prova. Não parou mais. Para conciliar a paixão, aprendeu com a disciplina exigida pelo triatlo a trabalhar e também a viver melhor.

— Eu tive alguns problemas na carreira por trabalhar demais, exagerar no trabalho. Hoje eu continuo trabalhando bastante, mas com uma qualidade de vida melhor, com percepção de dedicação e de ensino diferentes. Estava sempre com pressa e atrasado. Faltava a organização, a disciplina, que aproveitei do triatlo no meu trabalho. Aprendi a aproveitar o tempo _ conta Celinho, como é conhecido.

Ele não difunde amplamente aos alunos que é triatleta, ou que neste domingo vai passar cerca de 10 horas - é o tempo em que pretende concluir a prova - em busca da superação. No entanto, usa do esporte em casos em que julga necessária uma demonstração de determinação.

— Você vê muita gente buscando o sonho do curso superior, muito concorrido por vezes, e que estudou por dois ou três meses, não consegue o resultado e desiste. Eu uso às vezes meu exemplo. Eu acordo às 4h há 10 anos para ir atrás do resultado que eu quero e das coisas que gosto. É algo da motivação, da disciplina.

Administrador Adriano Grams tem dedicação para o trabalho e o esporte
Administrador Adriano Grams tem dedicação para o trabalho e o esporte
(Foto: )

Dedicação para pedalar 180 km

Desafio pessoal aplicado à carreira. Desde o ano passado, quando fez seu primeiro Ironman, Adriano Grams sente algo diferente. É apresentado pelos colegas de trabalho como um homem de ferro, por ter completado a prova de resistência. Virou uma forma de distingui-lo dos demais, seja no ofício ou na vida. Há três anos, aderir ao triatlo deu sentido à uma palavra que leva consigo no mar, na piscina, sobre a bicicleta, na corrida, no escritório e no lar.

— Dedicação é a palavra-chave. Na vida profissional, você tem de se dedicar para obter sucesso. A mesma coisa para o Ironman. Sem dedicação, você não consegue fazer como se deve fazer _ resume o secretário-adjunto da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte de Santa Catarina.

A tal palavra-chave começou a ter sentido para ele em 2015. Estava incomodado com os quase 100 quilos. Iniciou pela corrida, fez uma maratona e, no ano seguinte, aderiu ao triatlo. E lá se foram 15 quilos. Virou uma forma de obter melhor qualidade de vida. Travou uma espécie de Ironman consigo mesmo para se livrar do peso. Tarefa cumprida, buscou novos desafios. Neste domingo, vai revalidar os valores que carrega a cada braçada, pedalada ou passada.

— O Ironman é um desafio pessoal para muitas pessoas. A persistência para concluir uma prova dessas é fundamental. Se você persiste, se tem determinação, pode ter sucesso na vida profissional. O Ironman é isso no meio esportivo. Não sei como outros vêem, mas eu vejo como uma conquista. Você percebe que tudo é possível.

Empresário Cícero Bráz de Bem melhor a gestão por causa dos treinos ao Ironman
(Foto: )

Gestão para correr 42 km

Foi ao natural para Cícero Bráz de Bem. Desde a infância, o hoje empresário se acostumou a estar envolto pelo esporte. Quando pequeno andava de bicicleta e praticava artes marciais. Era criança “da rua”, como costuma definir. Tempos depois, começou a correr regularmente e a participar de provas da modalidade. Em 2009, resolveu retomar o ciclismo e acrescentar a natação. O primeiro e único Ironman até antes deste domingo foi em 2013. Desde então passou a aplicar o esporte à vida profissional.

Dono de agência de publicidade, principalmente os treinamentos duros e necessários para encarar provas de triatlo, fizeram com que lidasse melhor com situações extremas e decisões importantes nos negócios.

— Na vida profissional me ajuda bastante a questão de gestão, de saber conduzir, tanto com cliente como funcionários. Tem a questão de gerir crise, de quando acontece um problema. Isso é uma rotina no triatlo, você vive tentando resolver um probleminha que não era o esperado, como um pneu furado no começo de um treino longo de bike. Você precisa resolver a situação sem entrar em desespero. É isso que o esporte traz para a gente _ exemplifica Cícero.

Ainda que habituado à pressão no trabalho e no esporte, para o empresário o Ironman significa um pouco mais. Ele não atrelou a marca ao currículo, não a tem no cartão de visitas. Mas a leva no corpo, tatuada no braço direito, para demonstrar o quanto a prova foi marcante.

— É um divisor. No dia que completa o primeiro Ironman muda a tua cabeça, a tua vida. Tu percebe que as coisas não são impossíveis.

Assine o NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais do DC, AN e Santa e aproveitar os descontos do Clube NSC. Acesse assinensc.com.br e faça sua assinatura.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação