nsc
    hora_de_sc

    Chegou o verão

    Operação Veraneio começa com problemas em postos dos guarda-vidas em Florianópolis

    Falta de estrutura e vandalismo prejudicam a segurança dos banhistas em praias da Capital

    13/12/2018 - 08h34

    Compartilhe

    Por Dayane Bazzo
    Guarda-vidas improvisam abrigo sob guarda-sóis na Praia da Galheta
    Guarda-vidas improvisam abrigo sob guarda-sóis na Praia da Galheta
    (Foto: )

    Verão, sol, calor, praia lotada, banhos de mar. É nessa hora que a presença dos guarda-vidas é fundamental para a orientação dos banhistas e o socorro caso necessário. A Operação Veraneio do Corpo de Bombeiros começa neste sábado (15) e deve contar com 326 guarda-vidas nas praias de Florianópolis. No entanto, nem todos os postos de trabalho oferecem estrutura adequada para os profissionais, que enfrentam de sete a 12 horas de serviço.

    O pior cenário é encontrado na Praia da Galheta, no leste da Ilha. Por lá os guarda-vidas passam sete horas em uma estrutura que conta apenas com duas cadeiras de praia e dois guarda-sóis. Não há água nem banheiro. Em caso de necessidade, o jeito é usar o mato. O posto mais próximo da Galheta fica na Praia Mole, a quase um quilômetro de distância, incluindo uma trilha em meio às pedras.

    Estrutura na Praia da Galheta
    Estrutura na Praia da Galheta
    (Foto: )

    No sul da Ilha, guarda-vidas reclamam da falta de banheiro dos postos de Areias, no meio da Praia do Campeche, e na Praia da Caldeira. Em ambos os lugares, foram construídas estruturas novas, após terem sido alvo de vandalismo durante o inverno, mas ainda não oferecem toda a condição necessária. Já no Morro das Pedras, de acordo com os profissionais um dos melhores do sul da Ilha, o posto, feito em madeira, tem banheiro, água encanada, espaço para alimentação e descanso.

    As melhores condições são encontradas nos Ingleses, uma das praias mais movimentadas de Florianópolis. São sete postos, sendo três principais e quatro avançados novos. Os principais possuem banheiro, água e energia elétrica. Porém, essas condições são possíveis graças à parceria do setor privado, que ajuda na manutenção anualmente. Os postos avançados não têm banheiros e ainda falta colocar escadas e ferro.

    Na Praia do Santinho a situação é bem diferente. Por lá há apenas uma estrutura construída em fibra, que segundos os guarda-vidas, retêm muito calor, sem água, banheiro e luz. Na Praia do Forte há uma casinha de madeira, mas também sem ligação de água, banheiro e energia elétrica.

    Estrutura na Praia do Santinho
    Estrutura na Praia do Santinho
    (Foto: )

    Vandalismo

    Pelo menos cinco postos de guarda-vidas foram alvo de incêndio e arrombamento em Florianópolis este ano. As estruturas de Areias, no Campeche, da Praia da Caldeira e do Novo Campeche foram queimadas durante a baixa temporada. Segundo o estudante Ana Cristina Malinverno, de 48 anos, o posto do Novo Campeche foi incendiado há mais de três meses.

    — Era um posto novo, bem cuidado e bem preservado. Quando fazem isso fica um sentimento de tristeza. Por que as pessoas não cuidam do patrimônio que é de todos? Ali é um local escuro, quase não passa ninguém, então as pessoas aproveitam para fazer esse tipo de vandalismo. É um sentimento de frustração — diz.

    Dois postos dos Ingleses foram arrombados no início deste mês. Segundo os guarda-vidas, foram arrombadas as portas e levados equipamentos como os rádios de comunicação e nadadeiras.

    Estrutura dos guarda-vidas na Praia dos Ingleses
    Estrutura dos guarda-vidas na Praia dos Ingleses
    (Foto: )

    O que diz o Corpo de Bombeiros

    Os postos do Novo Campeche, Caldeira e Areias já foram reconstruídos para receber os guarda-vidas desta temporada. De acordo com o capitão Bruno Azevedo Lisboa, comandante do Grupo de Busca e Salvamento (GBS) do Corpo de Bombeiros de Florianópolis, o único que não será reconstruído é o posto da Praia da Galheta. Segundo o comandante, no local já foram construídos quatro postos em anos anteriores e todos foram destruídos por vândalos.

    — Este ano não vamos fazer o posto porque não adianta, já fizemos quatro postos de madeira, o último era muito bom e foi incendiado. É fazer num dia e uma semana depois estar destruído. Este ano vamos fazer uma estrutura com andaime para o pessoal, porque a gente sabe que é uma condição ruim, por isso eles se revezam, não ficam o dia todo lá — diz.

    Ainda segundo o capitão Bruno, outros postos já receberam manutenção e alguns ainda deverão passar por reforma. Os bombeiros também já solicitaram à Celesc a ligação da energia elétrica. Sobre a falta de banheiro, o comandante argumenta que em muitos locais não há a permissão dos órgãos ambientais para a instalação de sanitários. O jeito é utilizar os banheiros químicos instalados pela prefeitura, a estrutura de restaurantes ou dos postos principais.

    Operação Veraneio

    - Na Capital, três praias possuem guarda-vidas o ano todo: Ingleses, Mole e Joaquina. Nas outras praias, a pré-temporada começou entre outubro e novembro.

    - A Operação Veraneio da temporada 2018/2019 começa neste sábado (15). Segundo o capitão Bruno, do Corpo de Bombeiros, todos os postos guarda-vidas serão ativados em Florianópolis com mais 26 bombeiros militares e cerca de 230 bombeiros civis. No total, serão 326 guarda-vidas atuando em todas as praias da cidade.

    - Esse ano, os bombeiros terão mais embarcações nas praias, com um total de sete motos aquáticas. No ano passado, eram cinco motos.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas