nsc
an

publicidade

Joinville que Queremos

Painel debate propostas para o futuro do Centro de Joinville

Evento na Univille reuniu lideranças das áreas de comunicação, infraestrutura, patrimônio cultural e desenvolvimento urbano na noite desta quinta-feira

27/03/2019 - 21h30 - Atualizada em: 27/03/2019 - 21h31

Compartilhe

Luan
Por Luan Martendal
Painel marca a segunda etapa do projeto Joinville que Queremos
Painel marca a segunda etapa do projeto Joinville que Queremos
(Foto: )

Um encontro rico de ideias, propostas e com o desejo único de transformar para melhor o Centro de Joinville. Assim foi o ‘Painel Joinville que Queremos', realizado na noite desta quarta-feira (27) no auditório da Univille, e que marcou a segunda etapa do projeto de discussão para a revitalização da área central da cidade. A intenção é ampliar o debate com o propósito de potencializar a região como centro cultural, social, histórico e gastronômico no futuro que se desenha para a cidade.

Com este conceito de transformar Joinville em uma cidade mais humana, inteligente e sustentável, a revitalização do Centro foi considerada pelos painelistas do evento como o primeiro projeto físico que vai marcar a transição de Joinville para uma Smart City – cujo sonho nas próximas décadas é se tornar referência neste modelo para a América Latina. O debate teve apresentação do jornalista da NSC Comunicação, Marcos Pereira, que fez perguntas aos convidados e mediou a interação entre a plateia lotada e os painelistas.

Confira todas as reportagens do Joinville que Queremos

Projeto futuro

Uma das tendências evidenciadas com o que se espera a partir da revitalização do Centro veio com a fala do representante do Executivo Municipal no evento, o secretário de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável, Danilo Conti. Para ele, o projeto tende a tornar o espaço mais humano e funcional.

Na avaliação dele, existem dois pontos principais para que essa transformação aconteça: primeiro reconhecer a importância do adensamento para a formação de uma cidade mais sustentável, e, segundo, encarar a requalificação como um meio de transformar a região central em um símbolo cultural. Conti também lembrou que a recuperação de áreas degradadas podem sim transformar um espaço, citando como exemplo a revitalização do Mirante de Joinville, hoje um dos principais pontos turísticos da cidade.

— Queremos que, com este projeto de requalificação, o Centro se torne um ambiente onde as pessoas desejam estar e o cidadão seja a prioridade. Com isso vem à valorização do espaço, da gastronomia, do comércio e da história de Joinville — ressaltou Conti.

A proposição foi seguida pelos outros painelistas, como Marcelo Gomes, diretor da Pedra Branca Empreendimentos, que usou o exemplo o bairro universitário de Palhoça (SC), como um projeto de cidade-criativa – em que os equipamentos públicos e privados, como escola, faculdade, moradia e trabalho estão a poucos passos de distância. Isso estimula o transporte ativo (bicicleta e caminhada) e contribui em outras áreas, como a segurança e a qualidade de vida da população.

— Quero evidenciar como o ramo da construção civil pode ajudar a melhorar as cidades, defendendo o conceito de uma cidade feita para as pessoas — reforçou Gomes.

Conheça o projeto da Prefeitura para revitalizar o Centro de Joinville

Saiba quais são as 11 principais propostas de revitalização do Centro de Joinville

Projeto de revitalização 'Caminhos de Joinville' foi apresentado no painel por Danilo Conti
Projeto de revitalização 'Caminhos de Joinville' foi apresentado no painel por Danilo Conti
(Foto: )

Requalificação

As perspectivas vindas das áreas de construção civil; empreendimentos imobiliários e ocupação centralizou ainda a contribuição de Mario Cezar Castro de Aguiar para o debate. Diretor da Axia Vectra Incorporações e Construções, ele apontou os impactos positivos do adensamento populacional, equipamentos públicos e serviços na área central.

—O adensamento (populacional) interfere positivamente tanto no curso da cidade quanto para o cidadão, que tem custo menor, melhor infraestrutura e transporte mais eficiente. A própria questão dos imóveis, quando estão mais adensados, eles vão conseguir trazer para o cidadão e para a cidade imóveis com custos menores ou imóveis com padrão de qualidade superior — Destacou Aguiar.

Em linhas gerais, explicou, o adensamento quando estimulado pode provocar diferenças significativas e tende a tornar o Centro e a própria cidade mais equilibrados.

Preservação histórica e cultural

Para a pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Patrimônio Cultural e Sociedade da Univille, Dione da Rocha Bandeira o tema da revitalização do Centro é pertinente por ser um bairro especial pela sua história. “O Centro ele é importante pelo patrimônio cultural e pelos serviços que oferece, mas tem que ser uma síntese da cidade. Ou seja, toda cidade deve ser pensada, bem resolvida, e o Centro representar isso. E deve ser um espaço para todos”, salienta.

Assim como os demais membros do ‘Painel Joinville que Queremos’, Dione defendeu que o processo de revitalização deve atender os desejos dos cidadãos joinvilenses de forma democrática.

— O bem estar do cidadão deve ser o foco, tudo o mais será consequência — pontuou.

O jornalista e comentarista da NSC, Jefferson Saavedra, aproveitou o debate para apontar que um dos principais fomentos da discussão é evitar que uma área tão importante fique degradada e seja possível criar um novo ambiente de convivência, compras, lazer e ocupação a partir da revitalização.

— O Centro é quase que o coração de uma cidade, então não adianta arrumar parte dele e esquecer outras igualmente importantes. É possível fazer esse movimento em Joinville, porém, a revitalização passa por um conjunto de fatores, e, para acontecer, é preciso que todos caminhem juntos (sociedade civil; iniciativa privada e poder público) — considera.

Além da participação dos painelistas, o professor Silvio Simon apresentou os resultados de uma pesquisa feita com 210 joinvilenses para formar as características de uso dos espaços públicos do centro, que mostrou dentre os desafios superar a sensação de "abandono" e como ponto positivo, dentre outras questões as atividades culturais. "Esse estudo serve para refletir, propor ideias e transformar este espaço em um lugar melhor", explicou.

Centro de Joinville hoje
Centro de Joinville hoje
(Foto: )

Conheça o projeto

Com o slogan “Vamos reviver o coração da cidade!”, a edição de 2019 do projeto “Joinville Que Queremos” propõe uma discussão em torno da revitalização do Centro de Joinville. A iniciativa é liderada pelo Jornal A Notícia e acontece em três etapas ao longo de março e abril.

A primeira delas contou com uma série de reportagens publicadas nas plataformas impressa e digital do jornal, além de inserções na NSC TV, Rádio Globo, Rádio Atlântida e no portal NSC Total. O segundo ato foi o debate promovido nesta quarta-feira com o ‘Painel Joinville que Queremos’, que contou com representantes do jornal, parceiros do projeto, empresários, Poder Executivo e sociedade civil.

Próxima etapa

O próximo passo do projeto acontece no próximo dia 14 de abril, quando será realizada uma ação vivencial no próprio Centro, das 10 horas às 16 horas. O evento prevê uma série de atrações, como apresentações artísticas, música, brincadeiras e outras atividades que envolvam toda a família para curtir o domingo na área central da cidade.

O projeto conta com a parceria de Univille, Gidion, Transtusa e Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável de Joinville.

Deixe seu comentário:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade