nsc
    santa

    Educação

    Pancho: Novos donos da Uniasselvi assumem o controle da instituição

    Novidade é o cargo de diretor de Operações criado para cuidar da transição e das decisões estratégicas do grupo educacional

    01/03/2016 - 11h03 - Atualizada em: 01/03/2016 - 17h45

    Compartilhe

    Por Pancho
    Grupo de Indaial passa pela segunda transição de gestão em quatro anos.
    Grupo de Indaial passa pela segunda transição de gestão em quatro anos.
    (Foto: )

    Os novos donos do Grupo Uniasselvi, com sede em indaial, assumiram nesta terça-feira, 1º de março, o controle da instituição. Os fundos de investimentos Vinci e Carlyle criaram o cargo de diretor de Operações e contrataram o executivo Valdir Gomes Barbosa Sobrinho para o posto.

    Barbosa vai trabalhar ao lado do reitor Hermínio Kloch e será responsável, inicialmente, pela transição da gestão do grupo, que desde 2012 pertencia à Kroton Educacional. Kloch continuará na reitoria e vai se dedicar com mais intensidade aos assuntos acadêmicos.

    Ao longo da semana a dupla vai visitar as seis unidades do grupo, em Indaial, Timbó, Blumenau, Guaramirim, Brusque e Rio do Sul, além do Departamento de Ensino a Distância para comunicar oficialmente a transição.

    A Uniasselvi foi vendida pela Kroton Educacional aos fundos Vinci e Carlyle em outubro do ano passado por R$ 1,1 bilhão. A venda foi uma condição imposta pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para aceitar a fusão da Kroton com a Anhanguera.

    Entrevistei a dupla que vai comandar a Uniasselvi a partir de agora. Na sede, em Indaial, conversamos, principalmente, sobre o futuro da instituição.

    O que muda nesse primeiro momento?

    Valdir Gomes Barbosa Sobrinho – Nós vamos trazer para Indaial as atividades que antes eram realizadas pela Kroton fora de Santa Catarina. A nossa ideia é que a gente tenha a sede aqui e que, em pouco tempo, não tenhamos mais vínculo algum com a Kroton. Vamos ter que contratar gente, ampliar operações. Na parte acadêmica não há alterações.

    Que tipo de operação ocorria fora e passa a ocorrer aqui?

    Barbosa – Toda a parte de tomada de decisão vem para cá. A parte estratégica também e algumas áreas operacionais que ficavam em São Paulo, como compras, suprimentos, marketing e tecnologia da informação.

    Existe algum motivo para a comunidade acadêmica temer uma transição conturbada?

    Barbosa – Não consigo visualizar nada. A gente tem um respeito muito grande pelo modelo adotado hoje dentro da Uniasselvi. Isso foi um fator motivador para a gente estar aqui.

    Hermínio Kloch – A Carlyle e a Vinci compraram a Uniasselvi justamente por ter um modelo diferenciado. É o que se quer preservar. A gente ganha em manutenção da qualidade do ensino e a vinda da estrutura de tomada de decisão. Tudo acontece agora aqui no município de Indaial.

    É um resgate do DNA da Uniasselvi?

    Kloch – É a palavra perfeita. A minha preocupação como reitor era saber quem é o novo dono. Será que ele vai olhar no meu olho e dizer que isso aqui não tem sentido nenhum e que só quer rentabilidade? Essa preocupação foi descartada.

    Há previsão de investimentos?

    Barbosa – Hoje temos um processo de expansão de 29 novos polos de ensino a distância até abril ou maio. Com isso teremos 77 no total. No presencial, inicialmente não há planos, mas a gente quer expandir.

    E sobre a possibilidade de uma nova venda da instituição? Ela existe?

    Barbosa – O foco total está em fortalecer a marca Uniasselvi, em crescer com a marca, com a instituição. O futuro a gente não tem como prever. O que é marca dos dois fundos é deixar as instituições que são adquiridas num patamar de qualidade e de gestão num grau acima do que a gente encontra. Para a Uniasselvi é um ganho importante de troca de experiências com várias outras empresas que a gente tem.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas