nsc
    an

    Negociações

    Partidos do "centrão" começam a cobrar Temer por apoio a impeachment 

    Em discursos ainda tímidos, lideranças do PP, PR, PTB e PSB ressaltaram a importância dos votos que "deram ao peemedebista"

    19/04/2016 - 05h12

    Compartilhe

    Por Estadão Conteúdo
    (Foto: )

    Aprovado o impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, partidos do "centrão", que votaram majoritariamente a favor do impedimento da petista no domingo, começaram a emitir sinais de cobrança ao vice-presidente Michel Temer.

    Na segunda-feira, em discursos ainda tímidos, lideranças do PP, PR, PTB e PSB, que trabalharam a favor do afastamento da presidente, ressaltaram a importância dos votos que "deram a Temer", classificados pela maioria deles como decisivos, e cobraram reconhecimento.

    — O PP é o partido que decidiu o processo e hoje tem uma força muito grande na Câmara e não tem como ser ignorado por quem quer que seja — disse o líder da legenda na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PB).

    Leia mais

    PSDB discute participação em eventual governo Temer

    Dilma Rousseff: "É estarrecedor que um vice conspire contra a presidente"

    Temer planeja superministérios na economia, infraestrutura e área social

    Dos 45 votos do PP, 38 (88,4%) foram a favor do impeachment. Ex-ministro de Dilma, Ribeiro afirma que o partido está preparando uma "contribuição" com propostas de saídas para a crise econômica a ser entregue para Temer, caso ele assuma a Presidência no lugar de Dilma. As propostas estão sendo elaboradas pela Fundação Milton Campos, ligada à legenda.

    No PP, as negociações com Temer estão sendo tocadas pelo presidente da sigla, senador Ciro Nogueira (PI), até duas semanas considerado "aliado" do governo Dilma. Em um eventual governo peemedebista, a legenda quer "manter" o Ministério da Integração Nacional e ganhar outra pasta "de Orçamento", como Saúde ou Educação.

    No PR, que deu 26 votos contra o governo da petista e apenas 14 a favor, a "prioridade" é manter o Ministério dos Transportes, atualmente ocupado por Antônio Carlos Rodrigues. A ala pró-Temer, contudo, ainda precisa convencer o comando do partido a apoiar o peemedebista.

    Atualmente, o PR é comandado pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto, que cumpre prisão domiciliar por condenação no processo do mensalão. Neto tem se mantido fiel a Dilma, o que levou o deputado Alfredo Nascimento a renunciar, no domingo, à presidência da legenda, que ocupava oficialmente, para votar a favor do impeachment.

    — O PR foi decisivo e poderia ter virado o jogo com os 26 votos que deu a favor do impeachment — afirmou um influente deputado da legenda, sob condição de anonimato.

    No partido, as negociações com Temer estão sendo tocadas pelo ex-líder do partido, deputado Maurício Quintella (AL). Já no PSB, as conversas com o vice-presidente são feitos pelo presidente do partido, Carlos Siqueira. Ele admite que Temer sinalizou a ele sobre a "possibilidade" de dar espaço à legenda em seu eventual governo.

    — Mas o mais importante que número é a qualidade do ministério e o que ele pode fazer para ajudar a sair da crise — disse.

    Na linha de outras lideranças que também negociam com Temer, Siqueira salienta que o resultado da votação do impeachment "poderia ser outro" se não fossem os 29 votos a favor do impedimento que a bancada do PSB deu. Apenas três deputados da sigla votaram contra o impeachment.

    Com 14 votos pró-impeachment e seis contra, o PTB sinaliza querer assumir alguma pasta ligada ao empresariado e à indústria.

    — Temos um programa de reformas nessas áreas para entregar para ele — disse a deputada Cristiane Brasil (RJ), que passou a presidência da sigla nesta semana a seu pai, Roberto Jefferson.

    Leia as últimas notícias de Política

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas