nsc

publicidade

Em todo o Estado

Passagens de ônibus intermunicipais ficam mais caras a partir deste domingo

Deter divulgou reajustes de 6,4% para cidades próximas e de 7,42% nas viagens mais longas

28/08/2015 - 15h29

Compartilhe

Por Redação NSC
Reajuste passa a valer à 0h de domingo
Reajuste passa a valer à 0h de domingo
(Foto: )

A partir da 0h de domingo, ir de ônibus de uma cidade a outra - seja qual for a distância entre elas - ficará mais caro. O Departamento de Transportes e Terminais (Deter) anunciou nesta sexta-feira os reajustes do valor das passagens em viagens intermunicipais urbanas e rodoviárias em todo o Estado, buscando repor perdas com a inflação e garantir o equilíbrio financeiro das empresas.

Nas viagens consideradas de características urbanas, entre municípios próximos como os da Grande Florianópolis, o valor da passagem sobe 6,4%. Nas linhas rodoviárias, que são aquelas entre cidades mais distantes, em regiões diferentes, como Joinville e Criciúma, o aumento é de 7,42%.

Leia as últimas notícias

Conforme o diretor de Transportes do Deter, Amarildo de Souza, o cálculo do reajuste é feito por uma comissão, com base em informações colhidas pelo sindicato patronal das empresas de ônibus em todas as cidades de Santa Catarina. Os dados formam uma planilha de custos, destacando preço do óleo diesel e gastos com manutenção dos veículos, por exemplo. A partir disso, o Deter buscas confrontar esses números para avaliar se o aumento proposto pelas empresas é justificável.

- Foi pedido correção de 10, 13%, mas também analisamos o lado social do usuário do transporte. Por isso demos o reajuste igual ou abaixo da inflação - comenta Amarildo.

A diferença entre as linhas urbanas e rodoviárias se dá pela necessidade de mais investimentos na infraestrutura das viagens mais distantes, com exigências legais de ônibus com ar-condicionado e banheiros, entre outros itens, que encarecem o serviço.

O Deter prevê um reajuste por ano. Apenas a última correção ocorreu antes deste prazo, em dezembro de 2014, porque de acordo com o órgão, houve um impasse e as empresas estavam há um ano e meio sem alterações nas taxas.

Deixe seu comentário:

publicidade