nsc
an

publicidade

Investigação

Polícia Civil abre inquérito para apurar fraude no Iprev de Joinville

Delegado Leonardo Marcondes Machado está conduzindo as investigações para apontar os responsáveis pelo esquema que provocou um rombo R$ 441 mil nos cofres públicos

11/12/2013 - 05h09 - Atualizada em: 18/12/2013 - 18h10

Compartilhe

Por Redação NSC
Delegado Leonardo Marcondes Machado
Delegado Leonardo Marcondes Machado
(Foto: )

A Polícia Civil de Joinville, por meio da 3ª Delegacia de Polícia, instaurou inquérito para investigar a denúncia de fraude em pensão do Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina (Iprev), que provocou um prejuízo de R$ 441 mil aos cofres públicos e foi publicado com exclusividade pelo jornal "A Notícia" em novembro. O delegado Leonardo Marcondes Machado é quem está conduzindo a investigação. Ele recebeu um boletim de ocorrência que havia sido registrado na 2ª DP, no bairro Fátima, e um expediente do próprio instituto solicitando investigação da polícia.

- Uma pessoa que foi responsável pela denúncia junto ao Iprev já foi ouvida. A partir de agora, vamos oficiar o Iprev para que encaminhe alguns documentos que precisam ser periciados e vamos começar a ouvir os envolvidos - destacou Marcondes.

O Iprev também deve concluir nos próximos dias a sindicância aberta para apurar como a pensão de João José Perini continuou sendo paga durante dez anos após a morte dele. A comissão de sindicância do Iprev investiga ainda se houve envolvimento de servidores da agência de Joinville no golpe. Os funcionários ouvidos disseram não se lembrar do pensionista em questão e confirmaram que os procedimentos para recadastramento foram respeitados.

Iprev quer o dinheiro de volta

O presidente do Iprev, Adriano Zanotto, pretende recuperar o dinheiro do instituto após a identificação dos responsáveis.

- Precisamos pegar o dinheiro de volta - destacou Zanotto na época em que denúncia foi feita.

Para evitar que este tipo de caso volte a ocorrer, Zanotto disse que já está em fase de licitação a implementação de um sistema totalmente informatizado. A iniciativa, segundo ele, já havia sido tomada antes da denúncia. O novo sistema prevê mudanças no modo de recadastramento que, possivelmente, não será mais por meio de assinatura e sim por biometria (captação de imagem da impressão digital).

Cadastro foi renovado por dez anos

O pensionista João José Perini morreu em 2002, porém a pensão continuou sendo depositada até 2012. Durante esses dez anos, uma pessoa refez o cadastro anual no Iprev e sacou o dinheiro. Segundo o instituto, o valor inicial aproximado da pensão era de R$ 3 mil. Nos últimos meses, a pensão chegou a R$ 7 mil mensais. Para atualizar o cadastro, o pensionista precisa ir pessoalmente a uma agência do órgão. Segundo o Iprev, a pensão continuou sendo paga porque a morte não foi comunicada.

O óbito do pensionista só foi registrado em 2012 por uma das filhas dele. A justificativa no pedido de óbito tardio feito em juízo é de que um cunhado ficou responsável por fazer o registro no cartório, mas acabou esquecendo e isso só foi descoberto quando esse mesmo cunhado morreu e precisou ser enterrado no jazigo da família.

Deixe seu comentário:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade