nsc
dc

publicidade

Operação Manobra de Osler

Polícia Federal faz operação por suspeita de irregularidades em clínica de Chapecó

Segunda fase da Operação Manobra de Osler cumpre cinco mandados de busca e apreensão em uma clínica de recuperação auditiva da cidade

09/02/2017 - 07h59 - Atualizada em: 09/02/2017 - 19h29

Compartilhe

Por Redação NSC
Clínica de reabilitação auditiva em Chapecó foi alvo de mandado de busca e apreensão. Foto: Rafael Juncks - RBSTV
Clínica de reabilitação auditiva em Chapecó foi alvo de mandado de busca e apreensão. Foto: Rafael Juncks - RBSTV

Policiais federais realizam na manhã desta quinta-feira a 2ª fase da Operação Manobra de Osler, que investiga pagamentos por exames e procedimentos desnecessários ou que sequer teriam sido feitos em uma clínica de Chapecó, no Oeste catarinense, e outras duas de Pato Branco, no sudoeste do Paraná. Cinco mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos. Também são alvos da operação as residências de administradores das empresas, em Chapecó e Curitiba. Segundo o Ministério Público, o volume de recursos destinados a apenas uma dessas clínicas foi de quase R$ 3 milhões em 2016.

As medidas foram autorizadas pela Justiça Federal, atendendo pedido do Ministério Público Federal. A decisão da 1ª Vara Federal de Chapecó aponta a existência de indícios dos crimes de peculato, dispensa indevida de licitação, falsidade ideológica e associação criminosa.

Essa nova etapa da operação decorre do aprofundamento das investigações, iniciadas em 2015, a partir da análise dos elementos colhidos nas buscas e apreensões realizadas em novembro de 2016 na Secretaria Municipal de Saúde, numa clínica de medicina hiperbárica, no Consórcio Intermunicipal de Saúde de Chapecó (CIS-AMOSC) e na residência e empresas dos envolvidos.

Na ocasião, foi determinada a suspensão cautelar do exercício de qualquer função pública pela ex-secretária de saúde de Chapecó Cleidenara Weirich (PSD), que foi a vereadora eleita mais votada da cidade em outubro e está impedida de assumir. A mesma sentença foi dada ao então diretor executivo do CIS-AMOSC.

(Foto: )

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

publicidade

Colunistas

    publicidade

    publicidade

    publicidade