nsc
an

publicidade

Investigação

Polícia ouve seis dos presos agredidos no presídio de Joinville

Delegado também falará com agentes prisionais de Jaraguá do Sul e Barra Velha

15/02/2013 - 06h23

Compartilhe

Por Redação NSC
Cena mostra agentes atirando contra detentos
Cena mostra agentes atirando contra detentos
(Foto: )

O delegado responsável pela investigação criminal da operação pente-fino no Presídio Regional de Joinville, Fábio Estuqui, ouviu nesta quinta-feira seis presos que teriam sido agredidos pelos carcereiros e um agente prisional que participou da ação. A polícia investiga se houve excesso por parte dos agentes do Departamento de Administração Prisional (Deap) na ação do dia 18 de janeiro. "A Notícia" divulgou o vídeo, com exclusividade, no último dia 2.

Três dos seis presos ouvidos foram atingidos com tiros de munição de borracha. Outros dois teriam sido atingidos pela granada de efeito moral. o sexto preso, que é paraguaio, deslocou o ombro por causa de um golpe que levou de um agente. Com o auxílio das imagens, o delegado pôde observar o golpe.

O carcereiro teria saltado no meio do grupo de 60 presos agachados no pátio para tentar conter dois deles que estariam incitando uma reação dos detentos. Ao pular, acabou atingindo o paraguaio com os pés.

O relato dos presos foi o mesmo. Eles contaram ao delegado que os agentes chegaram ao pavilhão bem cedo, por volta das 7 horas. Alguns estavam tomando café, enquanto outros dormiam. Os carcereiros chegaram dando tiros com munições de borracha e fazendo uso de gás de efeito moral, conforme o depoimento dos detentos.

A ordem era para que todos ficassem nus e paralisados. Um por vez foi encaminhado ao pátio para que as celas fossem vistoriadas. Nas celas, os agentes encontraram maconha e celulares.

Os presos alegaram ainda que não tentaram reagir. Mas confessaram que proferiram gritos de repúdio à ação dos agentes.

- Eles começaram a gritar chamando os agentes de covardes -, contou o delegado.

Os detentos disseram ainda que os atentados em Santa Catarina nada têm a ver com o que aconteceu no presídio de Joinville. Eles afirmam que escreveram duas cartas relatando a ação dos agentes apenas aos familiares e ao juiz.

O agente prisional que prestou depoimento atuava em Joinville e seria responsável por saltar entre os presos. Ele afirmou que não estava armado e retirou dois presos do grupo porque estariam incitando reação dos demais.

No sábado, o delegado irá ouvir agentes prisionais de Jaraguá do Sul e Barra Velha que participaram da operação. Os demais agentes lotados em Florianópolis serão ouvidos na segunda-feira.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Polícia

publicidade

Colunistas

    publicidade

    publicidade

    publicidade