nsc
dc

(i)mobilidade

Prefeitura promete colocar mais guinchos em Florianópolis para resolver engarrafamento

Outro veículo, já em licitação, será contratado para atender ao Itacorubi

13/12/2019 - 06h10

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
***
Fila na Beira-Mar Norte, às 19h10 desta quinta
(Foto: )

A prefeitura de Florianópolis promete colocar mais guinchos para a remoção de veículos, como o ônibus que estragou na tarde desta quinta-feira (12) na SC-401. O secretário de Mobilidade, Michel Mittmann, afirmou que uma licitação abrirá no dia 7 de janeiro de 2020 para contratar mais um veículo, além do que fica permanentemente na cabeceira das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Salles desde março deste ano. O secretário, porém, disse que o município não pode resolver o problema sozinho.

O Estado, responsável pela rodovia onde ocorreu o incidente, a mais movimentada de SC, não se manifestou até o momento. O secretário de Infraestrutura de Santa Catarina, Carlos Hassler, não atendeu a reportagem na noite desta quinta-feira. A assessoria informou que ele estava em um evento.

Os dois foram procurados depois que um único veículo parado na pista SC-401, sentido norte, trancou a cidade de Florianópolis quase inteira. Um micro-ônibus quebrado no caminho ao Norte da Ilha de SC, que causou transtornos para quem se deslocava na cidade entre as 16h e as 20h. O engarrafamento durou mais de três horas na rodovia onde ocorreu o problema, com reflexos na Avenida da Saudade, na Beira-Mar Norte e em todas as vias adjacentes.

O caos provocado por um pequeno incidente não é novidade para os moradores da Ilha. Mas qual seria a solução para o problema?

Confira a entrevista com Michel Mittmann:

Um veículo quebrado na rodovia que leva ao Norte da Ilha teve reflexos em toda a cidade, nesta quinta-feira. Há algum projeto para resolver os problemas de trânsito na SC-401?

Como a SC-401 é de jurisdição do Estado, a gente não tem autonomia para atuar naquela região.

Mas um único veículo que estragou na SC-401 refletiu em toda a cidade.

Nós temos um guincho na cabeceira das pontes. Ele precisou deslocar, com apoio de escolta da Guarda (GMF), porque passou por todo o congestionamento. É difícil deslocar até lá, mas também é difícil ter um guincho à disposição na rodovia (401), haja vista uma compensação financeira. Fica muito caro para o município financiar sozinho os custos.

Moramos em Florianópolis e vivemos o trânsito e seus problemas. As pessoas passam por esse drama com frequência, nunca se pensou numa parceria com Estado, então, para resolver essa situação?

A gente trabalha um edital para colocação de guinchos. Há uma licitação em aberto. Ele provavelmente deve ficar nas proximidades da entrada do Itacorubi. Há a necessidade de um guincho extra, também para não ficarmos tirando aquele que atua nas pontes do local.

Na ponte há um plano de contingência, que foi preparado durante o ano, testado e que, a princípio, vai funcionar. Ele envolve Estado e município. Não se pensa, seguindo o exemplo, em um plano para a rodovia mais movimentada de SC?

Se pensa e é necessário que exista, sim. Temos que evoluir nesse sentindo. É um projeto, mas trabalhamos com agendas múltiplas e temos trabalho acumulado, que deixaram de ser feitos em anos anteriores e são urgentes agora. Mas estamos trabalhando em uma parceria, com uma aproximação, para resolvermos essa situação.

Colunistas