nsc
    dc

    Doutor coragem

    Presidente da FCF, Delfim bate o martelo: "Entrego a taça no domingo"

    Orgulhoso de ser um dos únicos no Brasil que sempre definiu em cerimônia de campo entrega do troféu, dirigente só se rende à notificação judicial

    30/04/2015 - 08h40 - Atualizada em: 30/04/2015 - 09h05

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    Qual é a marca registrada que sempre serviu de slogan para o presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF)? Entregar a taça em campo!

    Num Brasil com estaduais conturbados, cheio de confusões em finais de campeonato, Delfim Pádua Peixoto Filho sempre se orgulhou de ser um dos poucos presidentes que sempre entregou no gramado o troféu após a consagração do campeão.

    ::: Se houver empate entre JEC e Figueira, campeão não será oficializado

    ::: TJD-SC confirma julgamento do caso Joinville para a próxima terça

    ::: JEC repudia informações de adulteração de documento

    E a recomendação feita pelo presidente do TJD-SC, Robson Vieira (clique aqui e confira) de que, em caso de empate, a taça não deveria ser entregue caiu como uma bomba no orgulho do presidente Delfim.

    Em manifestação exclusiva ao DC Esportes, Delfim adiantou sua decisão sobre entregar ou não a taça em caso de empate:

    - Esta é minha marca, se não houver uma notificação judicial, eu entrego a taça em qualquer situação, inclusive com empate. A discussão posterior pode determinar que a taça fique com o JEC ou seja devolvida. Claro que, homologar o título só o farei em caso de vitória, no caso de empate a homologação não vai ocorrer. Mas a taça será entregue.

    E o presidente defende a instituição FCF:

    - Porque a Federação teria que pagar por um erro que não foi seu? Pelo contrário, agimos diligentemente, percebemos o equívoco em relação ao atleta graças à atenção extremamente cuidadosa de nosso departamento técnico, que vai às minúcias dos documentos.

    E o presidente, por alguns segundos, deixa o tom mais incisivo de lado e relaxa em declaração:

    - Vou ficar ali do lado do campo. Se tiver dando empate entro em campo e bato um pênalti - brinca o presidente, ao lembrar que, se houver vencedor, não há impedimento algum de entregar o troféu.

    Bom, aí complicou para o árbitro Sandro Meira Ricci: pênalti para qual dos dois lados?

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Esportes

    Colunistas