nsc
    dc

    Justiça

    Primeira parte de julgamento de empresário termina com depoimento de perito judicial

    Júri popular deve terminar no começo da noite desta terça-feira

    07/03/2017 - 09h29 - Atualizada em: 07/03/2017 - 11h46

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Julgamento começou às 9h desta terça-feira
    Julgamento começou às 9h desta terça-feira
    (Foto: )

    O júri popular do empresário Aroldo Carvalho Lima Cruz, acusado de matar dois jovens em um acidente de trânsito em 15 de setembro de 2002, na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis, teve um intervalo no fim da manhã para almoço. Até 12h40min, falaram as testemunhas de acusação e mais cinco de defesa. A última delas foi um perito judicial contratado pelos defensores.

    Em seu depoimento, ele contestou as informações da perícia oficial sob a justificativa de que não é possível atestar a velocidade exata que o empresário estava momentos antes de bater seu BMW no Audi conduzido por Rafael de Lucca Geraldo, onde também estava Vitor Hugo Marins Filho. Ambos morreram na colisão. A fala do perito foi questionada pelo promotor Andrey Cunha Amorim e por um dos jurados.

    Antes dele, prestaram depoimentos dois funcionários do Café Cancun, casa noturna de que Aroldo era sócio-proprietário na época do acidente. Os dois rapazes que morreram estavam na estabelecimento momentos antes da colisão, assim como o acusado, que havia participado do expediente naquela noite.

    Outra testemunha de defesa foi um médico que atendeu Aroldo logo após o acidente. Ele negou que o empresário estivesse embriagado, como afirma a denúncia do Ministério Público. Além do médico, também prestaram depoimento para a defesa um sócio de Aroldo e um homem que foi ao Café Cancun na noite do acidente.

    No começo da tarde desta terça-feira o julgamento recomeça com o depoimento de mais testemunhas de defesa. Depois, o empresário vai responder às perguntas do MP, da defesa e dos jurados. Para concluir o júri, começa a sustentação oral de duas horas para cada uma das partes.

    O julgamento deve se estender até o começo da noite desta terça-feira. Se condenado, Aroldo pode pegar de seis a 20 anos de prisão por cada um dos homicídios dolosos. Ele também responde pela lesão corporal de Marco Dutra Conceição. O fotógrafo estava no Golf atingido pelo empresário depois do impacto no Audi.

    Leia também:

    "É como se tivesse sido ontem", lamenta irmã de jovem morto por empresário

    15 anos depois, empresário de Florianópolis vai a júri popular por homicídios

    STF nega recurso e mantém júri popular de empresário por duplo homicídio em acidente de carro

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas