nsc
    an

    Justiça

    Processo pede ressarcimento aos clientes de Marcos Queiroz, em Joinville

    Se juiz decidir que o empresário deve ressarcir vítimas, casos serão avaliados separadamente

    31/05/2017 - 15h39

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    Defensor público explica que condenação na esfera criminal não tem relação com processo Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

    Uma ação coletiva representando todos os lesados pelo empresário Marcos Queiroz, em Joinville, foi aberta pela Defensoria Pública em 2013 e pede que os clientes sejam ressarcidos por danos morais e materiais.

    Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br

    O processo está parado no gabinete do juiz Roberto Lepper, da 2ª Vara da Fazenda Pública, para que o magistrado se manifeste. Segundo o defensor público Djoni Benedet, nem todos os réus se manifestaram ainda.

    Ele explica que primeiramente o juiz terá que reconhecer ou não o desejo das vítimas de serem ressarcidas para depois procurar o dinheiro e poder bloqueá-lo.

    — Se o juiz reconhecer o dever do Marcos Queiroz em ressarcir essas pessoas, cada prejudicado vai ter que entrar com um pedido individual para que sejam estudados os valores caso a caso — explica.

    O defensor público afirma que a decisão na esfera criminal não impacta na que corre na esfera cível e busca o ressarcimento dos clientes. Segundo ele, o fato do empresário não ter sido condenado por crimes como estelionato e fraude não significa que o juiz da vara da fazenda vá entender que a conduta de Queiroz não implicou no descumprimento do contrato.

    — São duas coisas diferentes: o crime e o descumprimento do contrato — esclarece.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas