Uma professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), que é especialista em “gamificação” e jogos educacionais, foi até Harvard, uma das mais importantes instituições educacionais do mundo, para participar de visita com delegação brasileira. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Isabela Gasparini, que é doutora em Ciência da Computação e professora na Udesc, pôde participar de apresentações de pesquisadores de Harvard e, também, apresentou o trabalho desenvolvido na universidade catarinense. 

Batalhão de SC constrói ponte flutuante no RS e estrutura chama a atenção do Brasil

No Brasil, a professora já desenvolveu com alunos jogos educacionais gratuitos e podem ser utilizados pela comunidade. Alguns exemplos são os jogos “Pensar e Lavar” e “Pensar e Vestir”.

Continua depois da publicidade

Veja fotos da visita e dos jogos desenvolvidos

— Foram desenvolvidos com intuito de promover o desenvolvimento do pensamento computacional para crianças neurotípicas e com deficiência intelectual por meio de atividades da vida diária — explica Gasparini.

Outra produção é o do jogo “Mulheres na Ciência”, criado com  objetivo de instigar a percepção de jovens sobre a participação das mulheres na Ciência, assim como o Bem Estar App, um aplicativo para promover o bem estar estudantil.

E, além de poder mostrar o próprio trabalho a outros pesquisadores, a professora pôde participar de outras atividades como aulas da pós-graduação, reuniões sobre projetos em andamento e interação com estudantes de Harvard, experiências que serão trazidas como uma “bagagem” da viagem para a sala de aula brasileira.  

Continua depois da publicidade

— Visitar a Universidade de Harvard foi uma fonte genuína de inspiração; as inúmeras conversas, reuniões e debates sobre educação, inteligência artificial, liderança e políticas públicas reforçaram minha crença no potencial transformador da educação. Saí de lá com uma nova perspectiva, pensando em como podemos aplicar diferentes práticas e descobertas aqui no Brasil — comenta Gasparini.

Inclusive, uma das coisas que mais chamou a atenção da professora catarinense foi a dinâmica das aulas, que fazem com que os estudantes tenham mais protagonismo e liderança. 

— Também gostei de como as reuniões são conduzidas, de modo que sejam objetivas e cheia de resultados. Além disso tudo é muito inspirador, os espaços são pensados para que as pessoas fiquem confortáveis e possam trabalhar de modo focado. Realmente foi uma experiência incrível — comenta Gasparini.

Outras visitas

Além da ida a Harvard no último mês de abril,  Gasparini já esteve engajada em outras visitas técnicas e de pesquisa. Recentemente, em 2023, foi até a Alemanha, financiada pela fundação alemã The Alexander von Humboldt Foundation. Lá visitou as universidades Leibniz Institute & Goethe University em Frankfurt e Johannes Gutenberg-Universität Mainz. 

Continua depois da publicidade

Já em 2022 realizou uma viagem técnica para a Inglaterra para visitar a Universidade de Durham, financiada pelo British Council, especialmente para trabalhar em um projeto de colaboração existente que tratou o empoderamento feminino para atrair mais mulheres para as áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Leia também

Como estão as obras de construção de novo porto em São Francisco do Sul

VÍDEO: Família faz festa de aniversário para cachorra com bolo e velinhas em Joinville

Cidade de SC, a mais segura do Brasil, abre processo seletivo com 74 vagas; veja salários

Destaques do NSC Total