nsc
dc

História

Projeto faz recadastramento de 120 sítios arqueológicos na Serra 

Locais serão mapeados com coordenadas geográficas para facilitar preservação

15/12/2019 - 15h44 - Atualizada em: 15/12/2019 - 16h11

Compartilhe

Darci
Por Darci Debona
Sítios revelam presença de população indígena de Jês Meridionais
Sítios funerários de populações indígenas estão sendo mapeados para pesquisa da história de Santa Catarina
(Foto: )

Cerca de 120 sítios arqueológicos estão sendo mapeados na quarta e última etapa do Projeto de Recadastramentos de Sítios Arqueológicos do Oeste e Planalto de Santa Catarina. Essa etapa começou em novembro e vai até janeiro nos municípios da Serra Catarinense, como Lages, Painel, Capão Alto, Bocaina do Sul, Palmeira, Bom Retiro, Urupema, Urubici, São Joaquim e Bom Jardim da Serra, entre outros.

O trabalho é desenvolvido por uma equipe do Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (CEOM), que é mantido pela Unochapecó, e faz parte de uma ação da 12ª Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Santa Catarina.

De acordo com a doutora em arqueologia e coordenadora do CEOM, Mirian Carbonera, muitos sítios têm se preservado de forma fortuita e apresentam localização bastante genérica.

- Agora eles serão localizados mediante coordenadas geográficas vários dos quais serão selecionados para futuras pesquisas que visam contar não somente a história das sociedades humanas, mas também contribuem para reconstituir o ambiente, as paisagens e o clima do passado. É importante que esses bens sejam preservados porque tem um grande valor científico e histórico-cultural e podem contribuir com o desenvolvimento local por meio do turismo que tem grande potencial nessa região – destacou.

Carbonera disse que entre esses 120 sítios arqueológicos estão estruturas subterrâneas (conhecidas como casas ou buracos de bugres), e estruturas anelares (conhecidos como danceiros) que são sítios funerários e cerimoniais. Esses sítios são de populações indígenas Jês Meridionais, que chegaram na região há cerca de dois mil anos.

A coordenadora do CEOM disse que os sítios da região são monumentos do patrimônio arqueológico brasileiro que retratam um período de desenvolvimento das práticas agrícolas, complexidade social com o surgimento de desigualdades sociais e transformação da paisagem.

- Se destacam os sítios funerários que foram construídos de diferentes tamanhos, e se caracterizam por um anel de terra e na parte central um monte de terra, o monte central em alguns casos tem mais de dois metros de altura. Além disso, as taipas e caminhos das tropas marcam outra fase de ocupação da região que também constituem-se num legado patrimonial importante – afirmou a arqueóloga.

Colunistas