nsc
    an

    publicidade

    Mazar-e Sharif

    Quase 60 soldados e policiais mortos no norte do Afeganistão

    10/09/2018 - 14h41

    Compartilhe

    Por AFP

    Os talibãs mataram quase 60 policiais e soldados em uma série de ataques em quatro províncias do norte do Afeganistão, assinalaram nesta segunda-feira (10) funcionários de segurança deste país devastado por 38 anos de guerra.

    Intensos combates ocorreram no domingo à noite nas províncias de Sar-e-Pul, Kunduz, Samangan e Jowzjan.

    Ao menos 17 membros das forças de segurança morreram quando os rebeldes atacaram um posto de controle próximo à capital provincial de Sar-e-Pul, disse à imprensa o governador Zahir Wahdat.

    "A luta continua", prosseguiu. Os reforços serão enviados "logo". Ao menos 39 talibãs morreram e 14 ficaram feridos em ataques aéreos, segundo o governador.

    Os talibãs agora ameaçam a capital provincial, o que poderia causar um "desastre" se não enviarem tropas de reforço, advertiu o chefe de polícia, Abdul Qayom Baqizoy.

    As unidades vermelhas, os combatentes de elite talibãs, também atacaram várias delegacias na província de Kunduz, matando 19 policiais e ferindo 20, indicou à AFP o chefe do distrito de Dasht-e-Archi, Nasrudin Saadi.

    Os insurgentes atacaram dois postos de controle no distrito de Dara-e-Suf, na província de Samangan, abatendo 14 policiais, disse o porta-voz da polícia para o norte do país, Sarwar Hussaini.

    Além disso, na província de Jowzjan, centenas de talibãs invadiram o centro do distrito de Khomab, fronteiriço com o Turcomenistão, matando oito membros das forças de segurança, declarou à AFP o chefe adjunto da polícia provincial, Abdul Hafeez Khashi.

    Os ataques ocorreram horas depois de um suicida se matar em Cabul durante a comemoração do assassinato do comandante Masud, que combateu os talibãs há muitos anos e morreu dois dias antes dos atentados nos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001.

    Sete pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas neste novo ataque, que foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

    * AFP

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade