nsc

publicidade

Retorno

"Quero ajudar meus companheiros a deixar a Chapecoense na Série A", afirma WP9

Jogador deu sua primeira entrevista coletiva após reintegração ao grupo principal

23/10/2018 - 14h26 - Atualizada em: 23/10/2018 - 14h31

Compartilhe

Por Redação NSC
Wellington Paulista ao lado do técnico Claudinei Oliveira após ser reintegrado ao grupo principal da Chapecoense
Wellington Paulista ao lado do técnico Claudinei Oliveira após ser reintegrado ao grupo principal da Chapecoense
(Foto: )

Foi concorrida a primeira entrevista coletiva de Wellington Paulista após a sua reintegração do ao time principal, após quase dois meses de afastamento. O próprio jogador se surpreendeu com a presença de mais de dez veículos de comunicação no Centro de Treinamento da Água Amarela. Tanto que ele brincou com o assessor de imprensa, Daniel Fasolin, pedindo uma camisa para apresentação.

- Parece uma apresentação de chegada nova no clube, estou muito feliz, de verdade, estou muito feliz, na realidade quero fazer o que mais gosto e ajudar meus companheiros a deixar a Chapecoense na primeira divisão, que é o mais importante - declarou.

Questionado sobre o motivo de seu afastamento, o jogador disse desconhecer o motivo.

- Continuei treinando, ajudando, fazendo os gols lá no sub-23 com os meninos e do mesmo jeito que fui afastado sem saber o motivo também voltei sem saber de nada, me mandaram voltar, lógico com o apoio do torcedor, de alguns de vocês da imprensa e dos meus companheiros de clube, acho que o mais importante é saber que agora tem que estar fechado todo mundo para fazer grandes jogos na Arena e fora de casa também – afirmou.

No entanto, em outra resposta, disse que não cabia a ele comentar o assunto se ninguém da direção havia comentado. Em outra pergunta sobre uma possível contrariedade do diretor-executivo André Figueiredo contrário ao seu retorno, disse que para ele não foi falado nada.

Sobre o treinador Guto Ferreira, que estava no período em que foi afastado, disse não ter conversado com o jogador.

O atacante afirmo que sofreu muito ao ficar apenas torcendo para o time, do lado de fora. Disse que acredita na permanência da Chapecoense na Primeira Divisão.

Depois da entrevista o jogador passou por um “corredor polonês” dos jogadores, que bateram nele com as camisetas, como uma espécie de batismo de retorno. Ele cumprimentou o técnico Claudinei Oliveira e treinou entre os reservas. Os titulares no jogo contra o Cruzeiro fizeram apenas um trabalho regenerativo.

Resta saber se o técnico Claudinei Oliveira vai utilizá-lo no time titular no jogo do próximo sábado, contra o América-MG.

Leia mais notícias sobre a Chapecoense

Deixe seu comentário:

publicidade