nsc

publicidade

Em Belo Horizonte

Recém-inaugurado, bar de direita em Minas Gerais tem prato Tríplex e drinque Vai Pra Cuba 

Ideia nasceu entre quatro amigos, estudantes na capital mineira, após percepção de que a noite da cidade estava "muito politicamente correta" 

23/04/2019 - 11h27 - Atualizada em: 23/04/2019 - 11h29

Compartilhe

Por Folhapress
Decoração do Destro Bar, com ícones ligados à direita
Decoração do Destro Bar, com ícones ligados à direita
(Foto: )

A decoração tem ícones da direita como o ex-presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan, os ex-primeiros-ministros britânicos Winston Churchill e Margaret Thatcher e pensadores liberais como Milton Friedman e Ludwig von Mises. Do Brasil, são homenageados o ex-ministro Roberto Campos, o Barão de Mauá e o filósofo Olavo de Carvalho, entre outros.

A descrição não é da sede de um dos incontáveis institutos conservadores que surgiram Brasil afora nos últimos anos, mas de um bar. Inaugurado há duas semanas em Belo Horizonte (MG), o Destro é assumidamente de direita, provavelmente o primeiro do Brasil com essa temática.

No cardápio, além de vários tipos de coxinhas, há pratos de nomes sugestivos como Tríplex (ossobuco, queijo canastra e mandioca cozida), A Lula Tá Presa (anéis de lula) e Saudando a Mandioca (linguiça de porco com mandiocas cozidas). Entre os drinques há o Vai Pra Cuba! (mojito de maracujá) e o Trump Wall (à base de tequila e suco de limão). O bar também conta com uma cerveja artesanal, a Destra.

Às terças-feiras, no lugar de ofertas como "chopp em dobro", comuns em botecos Brasil afora, o mote é a promoção "Imposto é Roubo", com descontos em bebidas e petiscos.

A ideia veio de quatro amigos direitistas que se conheceram na PUC de BH, três estudantes de direito e um de administração. "Começou com uma brincadeira. A gente sempre comentava que a noite está muito chata, muito politicamente correta, e que a solução seria abrir um bar sem mimimi", diz Guilherme Laender, 35, um dos sócios, que foi diretor da Fiat e cuja família tem concessionárias de automóveis.

Ao lado de seu irmão Daniel e dos amigos José Neto e Gustavo Lopes, decidiram botar a ideia no papel em dezembro do ano passado. Em três meses, o bar estava pronto, num imóvel no bairro Sion, zona boêmia da capital mineira.

Neste curto período de vida do Destro, não houve situações de tensão com a esquerda, fora algumas críticas via redes sociais. Mas os donos tomaram precauções: além de um segurança na porta, o bar tem câmeras, alarme e conta com uma ronda noturna que passa periodicamente pelo local.

Em noites de futebol o local se rende ao inevitável e transmite jogos de Cruzeiro ou Atlético-MG, mas nas demais as TVs ficam ligadas em documentários sobre figuras da direita (sem som). Há duas semanas, o bar transmitiu as entrevistas de Olavo de Carvalho e Sergio Moro ao programa "Conversa com Bial", da TV Globo.

Apesar de ser um bar com temática de direita, pessoas de esquerda também são bem-vindas, diz outro dos sócios, José Neto, 39, que também tem um hostel na cidade. E se aparecer alguém com camisa de Che Guevara, ou de "Lula Livre"?

"Vai poder entrar sem problema, desde que não esteja ali para provocar e criar confusão. A gente sabe que nem todo mundo que frequenta o bar é de direita, isso seria impossível", diz Neto.

Apesar de os quatro sócios se declararem bolsonaristas fiéis, a figura do presidente não está presente em nenhum lugar do ambiente, ao menos por enquanto. Segundo Neto, ainda é cedo. "Vamos esperar e ver se ele vai fazer um bom governo. Se fizer, a gente coloca um quadro", diz.

Por Fábio Zanini

Deixe seu comentário:

publicidade