nsc

publicidade

Paris

Relator da ONU aponta mais 1.100 defensores dos DDHH mortos entre 2015 e 2017

10/12/2018 - 18h03

Compartilhe

Por AFP

Entre 2015 e 2017 "mais de 1.100 defensores dos direitos humanos foram assassinados no planeta por promover e proteger" tais direitos, informou nesta segunda-feira em Paris Michel Forst, relator especial das Nações Unidas para o tema.

Por ocasião do 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, Forst declarou na capital francesa que tal situação não é "satisfatória".

Os assassinatos são perpetrados "cada vez mais pelo crime organizado", mas as vezes também são ordenados por "empresas internacionais", especialmente do setor de mineração, destacou o relator, a poucos dias da apresentação na ONU de um relatório sobre a situação dos direitos humanos em 140 países.

Os ataques físicos, ameaças, sequestros e desaparecimentos estão aumentando no mundo, assim como o "fenômeno da impunidade", acrescentou.

Como exemplo, citou o caso da América Latina, onde "de 100 assassinatos de defensores, se realizam cinco investigações e apenas duas levam à condenação na Justiça".

Michel Forst também alertou para as campanhas de estigmatização e difamação contra estes ativistas.

* AFP

Deixe seu comentário:

publicidade