nsc
    an

    As fases do amor

    Reportagem em forma de poema fala sobre as fases do amor

    Histórias de joinvilenses ganharam tom de poesia para transmitir os sentimentos que se revelam no começo, meio e fim de relacionamentos

    28/02/2014 - 18h31 - Atualizada em: 03/03/2014 - 05h45

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    Um esbarrão, um aperto de mão,

    um dia bêbado, uma noite sã,

    um estranho na porta, um conhecido na janela,

    neve no jardim, flor na montanha.

    De forma inexplicável,

    do nada, imprevisível,

    sem aviso, sem recado,

    é como nasce o amor.

    As memórias, as lembranças

    Os mimos, os cuidados

    A presença, a ausência

    Separam a frente do verso do coração.

    Entre uma ponta e outra,

    o calor e a geleira,

    de segunda a quinta-feira,

    reside o meio do amor.

    Quando chega o adeus

    é hora de ir em frente

    E deixar que o outro siga,

    de sorriso no rosto, feliz, sem a gente.

    Ao se falar das fases do amor,

    uma coisa eu não esqueço:

    O fim não é o final

    mas apenas o recomeço.

    De 140 caracteres nasce o amor

    Um tuíte, um convite,

    uma cerveja para abrir o apetite.

    Para Adam e Aline,

    foi assim que começou.

    Do cigarro dele, ela não gostava

    a barba que cultivava, ela não apreciava

    E a banda de metal na qual ele tocava, adivinhem só?

    aquele som, ela detestava.

    Preocupada, estressada

    sentimento inesperado, ela pensava.

    Tranquilo, sem grilo,

    Adam nem se preocupava.

    Twitter, Facebook,

    SMS, ligações

    Conversas e risadas

    Que tal nos vermos depois?

    No bar, eles marcaram

    Para lá, tremendo, ela se dirigiu.

    Naquela noite de maio

    Podia ser nervosismo ou, então, o frio.

    Olhares trocados, o toque na mão

    A aparência não importava.

    Antes mesmo de se encontrarem,

    Aline já estava apaixonada.

    Um abraço, ela prometeu

    Adam cobrou, se aproximou, se aproximou.

    Em frente ao terminal de ônibus,

    o primeiro beijo aconteceu.

    Sentados lado a lado,

    sem coragem para chegar mais perto,

    no dia seguinte ao encontro,

    tudo parecia um pouco incerto.

    Mas aí vieram os amigos

    E depois vieram os pais

    Adam estava tão tenso

    que nem comer ele queria mais.

    Quando estão juntos, passa rápido

    Separados, dá uma agonia

    E Aline fica mal humorada se fica sem ver Adam

    por mais de dois dias.

    Hoje o tempo é um aliado

    É tudo intenso, recente e precoce

    No fim, porém,

    Eles tiveram mesmo foi sorte.

    Entre 500 mil almas

    as deles estavam no mesmo lugar

    Nesta cidade chuvosa e cinza,

    não foi difícil o amor, de um tuíte, brotar.

    Corações em segurança

    Ao surgir um novo amor,

    Geralmente há borboletas,

    flores, chocolates, carinho, apelidos

    Antes que entre em cena a dor.

    Mas Liliane e João

    já encararam um desafio

    antes mesmo que a presença do outro

    parasse de causar arrepios.

    Ele não sabia, mas ela faria uma viagem.

    Quando descobriu,

    estava tudo certo.

    A garota tinha até passagem.

    Para preservar o coração,

    escolheram terminar.

    João, na Bahia, ficou

    Liliane, com suas lágrimas, embarcou.

    Mas quando nos Estados Unidos chegou

    Um e-mail ela recebeu

    Era João declarando

    que o amor dele era também seu.

    Família e amigos desencorajando-os

    E eles firmes, acreditando.

    Com fotos e mensagens,

    um fazia parte da vida do outro.

    Cartas, vídeos, ligações

    Eu te amo a distância.

    Ele aqui, ela lá.

    E assim passaram-se três anos.

    Sinceros, cúmplices

    Amigos, companheiros.

    Vivendo um amor musical,

    eles sabiam que era isso que os faria inteiros.

    O Nordeste, decidiram deixar

    Em Joinville, criaram um lar.

    A separação foi capaz de uni-los

    em esforço, carinho e cuidado.

    Hoje, casados,

    predomina o bem-estar,

    a preocupação, a segurança

    e a certeza de que não se

    pode parar de sonhar.

    O fim é um recomeço

    Se a paixão surge sem pistas,

    o fim também chega silencioso,

    ainda que muitos detalhes

    façam um barulho verdadeiramente estrondoso.

    Tudo parecia bem,

    Por anos e anos foi assim,

    Mas a crise chegou para o namorado de Ana

    E ela se perguntava: será algo em mim?

    Um tempo para o coração

    eles resolveram dar

    Enquanto isso, desiludida,

    Ana foi viajar.

    Mas o amor parecia forte

    e decidiram o relacionamento manter

    Até que ela voltou

    e uma surpresa a despertou.

    No Facebook, a mensagem

    Uma garota desconhecida,

    enfurecida, anunciava:

    Sabe ele? Não acredite nesta imagem.

    Enquanto namorava Ana,

    ele namorava também a menina

    Surda de amor, Ana não conseguia ouvir

    até que uma prova irrefutável a fez sorrir.

    Com a certeza nas mãos, veio o alívio.

    Ainda que, primeiro,

    tenha surgido um desespero momentâneo

    do desconhecido.

    De olhos abertos,

    Ana sabe que estar solteira não é estar sozinha.

    Com o fim, percebeu alguém que mais valor tinha:

    ela mesma, Aninha.

    Uma notícia importante

    por estas bandas corre:

    de término de namoro, relaxa,

    ninguém morre.

    De uma hora para outra

    O sentimento acaba, assim como começou

    Nesse ciclo interminável

    basta paciência, que logo vem um novo amor.

    Jornalismo poético

    Nem Drummond, Camões ou Fernando Pessoa. A reportagem de capa desta edição foi escrita por alguém muito menos veterana e famosa nas alas da poesia: eu.

    Para trazer uma experiência diferente ao leitor - e também a mim, repórter -, propus unir o jornalismo à literatura em uma brincadeira séria com o tema que, provavelmente, é a maior causa de suspiros apaixonados e borboletas no estômago da humanidade: o amor.

    Procuramos estampar este sentimento universal nas páginas da + Estilo a partir de três histórias reais que são únicas, porém, reúnem emoções em comum com os casos de amor de tantos nós. Começo, meio e fim, assim mesmo, de forma cíclica, no jornalismo mais poético que consegui produzir.

    Confira imagens do ensaio fotográfico sobre as diversas fases do amor:

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Entretenimento

    Colunistas