nsc
an

Prazos

Resultados do Edital de Cultura e do Mecenato Municipal de Joinville estão previstos para dezembro

Atraso nos mecanismos de fomento da produção cultural da cidade preocupa classe artística

30/11/2015 - 05h04 - Atualizada em: 30/11/2015 - 08h21

Compartilhe

Por Redação NSC
O Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec) em como objetivo estimular a produção e execução de projetos culturais
O Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec) em como objetivo estimular a produção e execução de projetos culturais
(Foto: )

O calendário marca o último dia de novembro, e nada dos resultados do Simdec em Joinville. O edital de cultura e o mecenato que fomentariam a produção cultural da cidade entre o segundo semestre de 2015 e o primeiro de 2016 tiveram prazos atrasados o ano inteiro e, agora, têm previsão para divulgação dos aprovados em 8 de dezembro (para o mecenato) e 16 de dezembro (edital).

A Fundação Cultural de Joinville (FCJ) destina R$ 5.172.000 em 2015 para os dois mecanismos, que fazem parte do O Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura, lei criada em 2005 com o objetivo de estimular a produção e execução de projetos culturais. Agora, este valor só deve ser liberado em 2016.

O último atraso diz respeito à banca avaliadora dos projetos do edital: a lista de profissionais convocados para compor estas comissões havia sido definida pelo antigo coordenador do Simdec, Rodrigo Dippold, exonerado no início do mês. No entanto, ela ficou pronta muito tarde para ser analisada e aprovada (processo que poderia levar até 60 dias) e custaria cerca de R$ 70 mil para a FCJ.

Com isso, servidores foram convocados para assumir essa função em horário de trabalho. Segundo a atual coordenadora, Simone Nascimento, o processo foi complicado, já que a banca não pode ter vínculos com os inscritos, muito menos estar ligada, mesmo que indiretamente, a algum projeto.

O presidente do Conselho Municipal de Política Cultural, Maycon Santos, lamentou a situação:

- Fizemos parte da votação para aprovar os funcionários públicos porque, se não o fizéssemos, o sistema iria travar e centenas de pessoas seriam prejudicadas, assim como a produção cultural de Joinville. Mas é triste ter que ser conivente com este processo - afirmou Maycon, que recusa o argumento de dispensa da primeira banca por questões financeiras - Este valor já precisava estar definido há meses, e o Simdec prevê os recursos para pagar o processo.

Diante destas questões, o vice-presidente do conselho, Dennis Raddunz, renunciou ao cargo na quinta-feira. Uma nova eleição será feita para definir um integrante da sociedade civil para assumir a função.

Colunistas