nsc

publicidade

Hospital São José

Reunião sobre greve tem clima de confronto entre Sindicato dos Servidores e Prefeitura de Joinville nesta sexta

Sindicato avisa que não há acordo enquanto o prefeito não conversar com os representantes dos servidores. Assembléia às 17 horas definirá os rumso da paralisação

31/07/2015 - 13h14 - Atualizada em: 31/07/2015 - 13h23

Compartilhe

Por Redação NSC
Chefe de Gabinete Afonso Fraiz falou com o sindicato na tarde desta sexta-feira
Chefe de Gabinete Afonso Fraiz falou com o sindicato na tarde desta sexta-feira
(Foto: )

Em vez de acordo, mais confronto. A reunião entre os representantes do Sindicato dos Servidores (Sinsej) e da Prefeitura de Joinville, na tarde desta sexta-feira, foi tensa, e encerrada com discursos duros e sem nenhuma mudança no cenário de greve no Hospital São José.

A Prefeitura anunciou que vai cortar o ponto e descontar os dias não trabalhados. O sindicato garante que não vai retroceder enquanto o prefeito Udo Döhler não conversar diretamente com os representantes dos servidores.

- Se o prefeito não vai negociar enquanto a greve não acabar, a greve não vai acabar enquanto ele não negociar - disse o diretor do Sinsej, Tarcísio Tomazoni, na saída do encontro.

A greve dos servidores do São José foi anunciada no dia 10 e começou no dia 13 de julho. O impasse gira em torno do corte do adicional de periculosidade e insalubridade previsto em um laudo preliminar, que determinava a perda de R$ 157 nos salários de 150 servidores do hospital.

Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br

Hoje à tarde, a Prefeitura apresentou o laudo definitivo. Pelo documento, 113 servidores perderiam o benefício (e não 150, como previa o laudo inicial). Outros 12 teriam o adicional de insalubridade dobrado, de 20% para 40% do salário.

- O sindicato quer que o prefeito ignore o laudo. Inclusive em relação aos ganhos. Não é uma questão financeira, até porque o valor pago não representa tanto. É uma questão legal. O prefeito incorre em improbidade administrativa se não respeitar o laudo - disse o secretário de Comunicação, Marco Aurélio Braga.

O desconto dos dias parados deve ser contabilizado na folha de pagamento que será paga em outubro, já que a folha de agosto já está sendo paga e a de setembro em processamento.

Uma assembleia, às 17 horas, em frente ao São José, deve definir o futuro da greve. Enquanto conversam com os servidores, os líderes do sindicato esperam uma reversão na decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, que considerou ilegal a paralisação.

Saiba como as greves no Hospital São José e INSS já afetaram os joinvilenses

Deixe seu comentário:

publicidade