nsc
nsc

Duas em uma

Rolê com Edsoul: Papo Reto com a prefeitura de Palhoça e com a Jotur

Cadeirante percorre nove quilômetros todos os dias para conseguir usar o transporte público adaptado

07/09/2017 - 05h21

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Esta é uma nota a qual não tenho orgulho de publicar, simplesmente porque estamos falando de algo que deveria ser básico na vida de qualquer ser humano, o direito de ir e vir.

Este amigão aí na foto é seu Luís, um simpático vendedor sessentão que trabalha no centrão de Floripa, mas que é morador do bairro Barra do Aririu, em Palhoça. O cidadão teve paralisia infantil com oito meses de vida e as sequelas são notáveis, principalmente pela falta de movimentos nas pernas e pela dificuldade que tem ao falar. Pois bem, o maior problema do seu Luis está quando sai de casa todas as madrugadas, perto das 4h.

É notável pela foto que nosso amigo depende da cadeira de rodas para se locomover, consequentemente, para pegar uma das linhas da empresa Jotur para chegar a centro da Capital. Sabe o que não rola? Ônibus adaptado! Pelo menos, não perto da casa dele. E a solução é ter que percorrer uma média de nove quilômetros para então conseguir um que lhe dê condições.

Na moral, a prefeitura de Palhoça está dando mole para a empresa. Tem que exigir que cumpram pelo menos o que é de direito dos passageiros. Assim não dá!

Leia mais comentários no Rolê com Edsoul

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

Colunistas