nsc
    dc

    Violência urbana

    Santa Catarina tem a menor taxa de homicídios do Brasil, mas letalidade policial cresce

    Dados nacionais trazem pontos positivos no cenário nacional e também alertas como as mortes em ações policiais

    22/03/2016 - 06h40 - Atualizada em: 22/03/2016 - 11h29

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    Santa Catarina tem novamente motivos para comemorar com a divulgação do Atlas da Violência 2016 na manhã desta terça-feira, no Rio de Janeiro. A publicação a partir do sistema de informação sobre mortalidade do Ministério da Saúde coloca o estado mais uma vez com a menor taxa de homicídios por 100 mil habitantes do Brasil.

    (Foto: )

    Por outro lado, há números que causam preocupação: o crescimento da letalidade policial, ou seja, das mortes resultantes de ação da polícia, que já colocam Santa Catarina na quarta posição do ranking.

    O trabalho traz informações até o ano de 2014 e foi feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão do governo federal, em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

    Pelo estudo, Santa Catarina teve em 2014 a taxa de 12,7 homicídios por 100 mil habitantes, a mais baixa do Brasil, seguida de São Paulo, com 13,4 homicídios por 100 mil habitantes. Embora seja o cenário menos problemático proporcionalmente, nota-se um crescimento da taxa catarinense de 2014 em comparação com a de 2013, que foi de 11,6 homicídios por 100 mil habitantes.

    Outro aspecto em comparação com os demais estados é que Santa Catarina alcançou a menor taxa nas mortes por jovens na faixa etária de 15–29 anos, com 21,4 homicídios por 100 mil jovens — em 2013, a taxa catarinense nesse item também foi menor, de 20,6 homicídios por 100 mil jovens.

    Em relação aos homicídios, atualmente a grande preocupação policial em Santa Catarina está voltada para Joinville, onde já foram contabilizadas 32 mortes em 2016. Os números de assassinatos no ano passado foram recordes e a crise motivou a instalação de uma força-tarefa entre as polícias.

    Letalidade policial

    A leitura de Santa Catarina em relação ao restante do país tem sido destacada nos últimos anos pelo governo do Estado e Secretaria de Segurança Pública (SSP) diante do contexto nacional, assim como acontece também com as divulgações do Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

    Mas um ponto que chama a atenção é a letalidade policial. Em 2014, Santa Catarina foi o quarto estado com maior número de mortes por letalidade policial e o primeiro do Sul — apresentou 42 mortes, atrás do Rio de Janeiro (245), São Paulo (234) e Bahia (97). A SSP ainda não se manifestou sobre as conclusões do Atlas da Violência.

    "Preocupação deve ser furtos e roubos", diz delegado

    Com mais de 40 anos de profissão, o delegado aposentado da Polícia Federal (PF) Ildo Rosa destaca o estudo como importante medidor da violência e de referências internacionais, que pode servir para o Estado como espécie de cartão de visita no turismo, por exemplo.

    Ildo diz ser preocupante a avaliação da letalidade policial em Santa Catarina, que deve servir para mudança de cultura no treinamento dos policiais. Ele defende a inserção de políticas de direitos humanos para evitar a quantidade de confrontos armados e baixar o índice de mortes.

    Ildo Rosa, delegado aposentado da PF: "queremos sensação de segurança".
    Ildo Rosa, delegado aposentado da PF: "queremos sensação de segurança".
    (Foto: )

    Para o delegado, a preocupação catarinense na segurança pública deve se concentrar em ações voltadas para a diminuição dos crimes contra o patrimônio (roubos e furtos), que estão em crescimento:

    — Nós que moramos aqui queremos sensação de segurança e ela está associada aos pequenos furtos e roubos, que atingem mais as pessoas e onde há dados preocupantes que vêm crescendo. É preciso um trabalho forte para reduzir esses índices e isso se dá principalmente com a investigação policial dos crimes — ressalta.

    Colunistas