nsc
    dc

    Fundo de Garantia

    Saques do FGTS irão de agosto de 2019 a março de 2020, diz ministro 

    Limite de R$ 500 do FGTS valerá para cada conta ativa e inativa, segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

    24/07/2019 - 09h17 - Atualizada em: 24/07/2019 - 10h04

    Compartilhe

    Por Folhapress
    (Foto: )

    O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o limite máximo de saque de R$ 500 do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) valerá para cada conta ativa ou inativa do trabalhador.

    O anúncio da medida será feito na tarde desta quarta-feira (24), no Palácio do Planalto. Segundo ele, além do teto de R$ 500, haverá uma regra de proporcionalidade para calcular o valor de retirada.

    Em entrevista à Rádio Gaúcha, ele explicou que o percentual de liberação será determinado pelo saldo da conta. Os trabalhadores que tiverem menos recursos guardados poderão sacar uma proporção maior.

    – O limite é de R$ 500. Aí tem uma proporção que vai ser apresentada. Vai ter uma proporcionalidade. Quem tem pouco pode tirar percentual maior. E quem tem mais pode tirar um percentual menor, disse.

    Segundo ele, serão liberados R$ 40 bilhões do FGTS -R$ 30 bilhões em 2019 e R$ 10 bilhões em 2020- e mais R$ 2 bilhões do PIS/Pasep. A retirada será no mês de aniversário da conta do trabalhador, de agosto a 2019 a março de 2020. Ele explicou que, caso o mês de aniversário não esteja inserido no período, haverá um calendário de retirada preparado pela Caixa.

    — Será para todas as faixas de trabalhadores e a retirada será opcional. O trabalhador terá toda a liberdade de usar ou não esse dinheiro. Hoje, há 63 milhões de pessoas com dívidas registradas no Serasa, explicou.

    O limite máximo é menor do que o especulado anteriormente, com saques que iriam até R$ 3.000, número próximo à média de endividamento do brasileiro.

    Segundo dados do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) de junho, o inadimplente deve, em média, R$ 3.252,70. A maior parte dos atrasos se concentra em contas de água e luz.

    Até abril deste ano, cerca de 41% da população adulta, 62,6 milhões de brasileiros, estavam no vermelho.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas