publicidade

Cotidiano
Navegue por

Investigação

'Se teve recadastramento, foi falha de quem fez', diz filha pensionista que morreu há 11 anos

Rita de Cássia Perini, uma das filhas de João José, disse desconhecer a fraude e demonstrou surpresa

21/11/2013 - 07h40 - Atualizada em: 21/11/2013 - 08h54

Compartilhe

Por Redação NSC

Há três semanas, o Iprev apura um esquema de fraude em pensão que causou aos cofres públicos um rombo de pelo menos R$ 441 mil. Por meio de uma denúncia, o instituto descobriu que o salário do pensionista João José Perini, de Joinville, de valor inicial aproximado de R$ 3 mil, foi sacado ao longo de uma década, mesmo após a morte dele. Isso porque alguém conseguiu se passar por João José neste tempo todo, assinando o recadastramento anualmente na agência do Iprev de Joinville. Segundo o instituto, nos últimos meses, o valor da pensão chegou a R$ 7 mil mensais.

Procurada pela reportagem na terça-feira, Rita de Cássia Perini, uma das filhas de João José, disse desconhecer a fraude e demonstrou surpresa:

- Isso está causando espanto. Não fomos comunicados de nada. Nunca foi dito que meu pai não morreu. Meu pai morreu há 11 anos, em 15 de agosto de 2002. E a minha mãe faleceu dia 7 setembro de 1996. A minha mãe era funcionária da Fazenda, e o meu pai ficou como pensionista. Vou precisar me informar do que está acontecendo, porque realmente não sei. Mas sabe o que acho interessante: também sou aposentada, e no dia do aniversário, o aposentado tem de fazer o recadastramento. Então, como é que era feito isso? Daqui de dentro te garanto que não foi. Te juro, eu estou tranquila. Agora, alguém usou o nome do meu pai, mas se teve recadastramento me desculpe, foi falha de quem fez o recadastramento. Porque acusar é fácil. E a pessoa na hora não viu?

À reportagem, Rita relatou sobre as dificuldades financeiras que tem passado:

- Tanto que essa casa é do meu pai. A gente nem fez inventário. Minha irmã é viúva, o marido dela morreu faz dois anos e não deixou nada. Eu que sustento a casa, pois sou funcionária da Prefeitura. Isso realmente está me causando espanto, porque se fosse retirado por alguém daqui, nós não estaríamos numa situação difícil. Pode ver o que eu ganho, a minha irmã não tem um tostão - disse.

Sobre o registro de óbito tardio, Rita disse ter justificado o pedido à Justiça:

- Os motivos todos foram declarados para a Justiça.

Assista ao vídeo (confira o vídeo no YouTube)

Mulher - Eu não, porque quem vai... ser tudo "coisa" é a Rita. Você acha que ela merece?

Homem - Se eu denunciar vocês pela fraude no Besc(*). O que vai acontecer?

Mulher - Eles vão fazer um levantamento. Se achar que realmente foi. Primeiro que eles vão lá no Besc. Vão lá saber quem é que levava o pai entre aspas lá no Besc fazer a assinatura. Eu não ia.

Homem - Pai entre aspas. Quem? O seu Milton?

Mulher - Era o seu Milton que ia, né?

Homem - E tu levava ele?

Mulher - Nunca levei. Presta atenção. Tu sabe que o governo é ... Então, tu acha que lá no Besc aqueles caras que estão lá, não sabiam que aquele não era o meu pai? Claro que sabia. Tua acha que lá dentro não tinha junto também coisa. Claro que tinha. É assim.

Homem -Tem ainda?

Mulher - Eu nunca mais peguei nada porque eu nunca fui lá.

Homem - Tu tirou até quando?

Mulher - Foi aquele que você tem a prova, em 2009 a última vez. É um esquema tão grande, tão grande, que você tem que pensar tudo isso. O Walter fazia. Eu estava fora e eu não aparecia mais. Seu Milton que fazia.A última vez que eu fui com o meu pai foi em 2002 e ele ainda estava vivo.

Homem - Era o Walter que fazia?

Mulher - Ele transferia porque queria o dinheiro. Foi a última vez que ele pegou.Estamos com "tanto medo", que já está no Ministério. Já está no Ministério o óbito do meu pai.Então é bobagem tu fazer (denúncia), porque agora tem o óbito. Tá lá com o advogado.Denuncia, que você vai "cair de boca", porque já está lá no Ministério.

(*)Segundo o Iprev, o recadastramento é feito direto na sede do Iprev, não envolvendo o banco neste caso. O banco é um meio para o aposentado receber o dinheiro.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação