nsc

publicidade

Patrimônio

Secretário de Turismo admite duas possibilidades para o futuro do Frohsinn

Ricardo Stodieck diz que a prefeitura não prioriza a venda do imóvel

20/08/2015 - 04h03

Compartilhe

Por Redação NSC
Decisão sobre futuro do imóvel só será tomada após término da reforma
Decisão sobre futuro do imóvel só será tomada após término da reforma
(Foto: )

As negociações sobre o que será feito com o imóvel do Frohsinn no Morro do Aipim estão sendo tratadas entre as Secretarias de Turismo e Administração e a Procuradoria Geral do Município, mas o futuro ainda é incerto. Segundo o secretário de Turismo, Ricardo Stodieck, há duas possibilidades: concessão do imóvel para exploração comercial e turística; ou convênio ou concessão para tornar a estrutura uma escola de gastronomia e hotelaria. A intenção é, independentemente da decisão, ampliar o mirante e torná-lo acessível ao público.

Relembre o caso

::: Antiga sede do restaurante Frohsinn pega fogo em Blumenau

::: IGP conclui laudo sobre causas do incêndio no Frohsinn em Blumenau

::: Prefeitura de Blumenau lança licitação para recuperar prédio do Frohsinn

::: "Entre as alternativas, tudo é possível", afirma secretário de Turismo de Blumenau sobre futuro do Frohsinn

- A cidade está comprometida com o turismo e o setor só cresce. O Biergarten é um grande exemplo de uma parceria público-privada que deu certo e podemos repeti-la no Frohsinn - diz Stodieck, ressaltando que a prefeitura não prioriza a venda do imóvel.

Quatro meses após a inauguração da choperia e restaurante Thapyoka, o empresário Dimas Felippi, que administra o local, acredita que esta forma de concessão funciona muito bem. A Thapyoka já está há 15 anos em Timbó nos mesmos moldes e em Blumenau, mesmo com pouco tempo de funcionamento, o negócio superou as expectativas do administrador.

- Aqui no Biergarten o ponto é muito bom e tem a localização privilegiada. Acho que o modelo é muito interessante e no Frohsinn a proposta também deve ser ligada ao turismo - avalia.

Coordenador do curso de Gastronomia do Senac, Délcio César Dallagnollo afirma que restringir o espaço ao uso didático seria economicamente inviável. Transformar o imóvel em uma escola de gastronomia e hotelaria seria interessante, segundo ele, se o restaurante e o hotel tivessem uma administração própria e os alunos usassem a estrutura para aprendizagem, como estágio.

- Não acredito que hoje algum curso investiria tanto para fazer do Frohsinn uma escola. É um investimento muito alto para usar com objetivo exclusivamente didático.

A decisão deve ser tomada quando o imóvel ficar pronto.

Deixe seu comentário:

publicidade