nsc

publicidade

Educação 

Segurança nas escolas de SC é feita com auxílio de câmeras e vigilantes

Secretaria de Estado diz que instituições de ensino contam com sistema terceirizado para proteger alunos e professores

17/03/2019 - 11h33 - Atualizada em: 17/03/2019 - 13h18

Compartilhe

Larissa
Por Larissa Neumann
Instituto Estadual de Educação, na Capital, conta com guaritas para segurança.
Instituto Estadual de Educação, na Capital, conta com guaritas para segurança.

Na última quarta-feira o Brasil chorou a morte de cinco estudantes e duas funcionárias da escola estadual Raul Brasil, em Suzano (SP). Os dois jovens responsáveis pelo massacre eram ex-alunos da unidade e teriam, segundo a polícia, planejado o ataque com um ano e meio de antecedência. Vídeos das câmeras de monitoramento mostram que a dupla chegou de carro na escola e conseguiu entrar pelo portão da frente.

A tragédia foi estopim para questionamentos da população sobre a segurança nas unidades de ensino estaduais. Em Santa Catarina não há registro de nenhum incidente como o de Suzano, mas na sexta-feira (15), um arma calibre 22, que estava sem munição, foi encontrada com um adolescente de 15 anos dentro de uma escola em São Bonifácio, na Grande Florianópolis. Aos policiais, o jovem disse que queria mostrar a arma aos amigos.

Hoje, as mais de mil escolas da rede estadual de ensino contam, segundo a Secretaria de Estado da Educação, com segurança feita por meio de vigilância humana desarmada, sensores e câmeras de monitoramento. No entanto, ocorrências como a de sexta-feira (15) provam que há falhas no sistema.

As próprias escolas reconhecem que o foco desse serviço é muito mais a segurança patrimonial, que a dos docentes e alunos em si. Por conta disso, unidades como o maior colégio de Santa Catarina, o Instituto Estadual de Educação (IEE), localizado no Centro de Florianópolis, aprimorou por conta própria esse sistema para preservar a integridade dos mais de 6,3 mil estudantes.

— Cada portão tem um vigilante que opera o dia todo e temos um vigilante diurno no pátio. Mas, além disso, temos coordenadores de pátio, que circulam pelos corredores a todo o momento. Nos intervalos restringimos a entrada de estranhos e todos os coordenadores de ala ficam no pátio com os alunos. Isso tudo faz parte de um plano de segurança que a escola elaborou — detalha o coordenador geral da unidade, Vendelin Borguezon.

Situação é diferente fora da Capital

Enquanto o IEE conta com vigilância 24 horas nos principais portões de acesso à unidade, a coordenação de escolas em Blumenau, no Vale do Itajaí, e em Joinville, no Norte do Estado, demonstra preocupação por ter períodos do dia totalmente desguarnecidos.

Como ocorre no colégio Pedro II, localizado na região central de Blumenau, que desde o começo do ano está sem vigilância noturna, sendo que o horário de funcionamento na unidade se estende até as 22h, por conta das aulas noturnas. A unidade atende cerca de 950 alunos no ensino fundamental, médio e também na formação de magistério.

— Contamos com dois vigias, que trabalham em turnos de seis horas cada um, entre 6h e 18h. Mas depois é um servente da escola que controla a entrada de carro e pessoas. Nem aos fins de semana temos mais o serviço. Já até registramos boletim de ocorrência pelo furto de toda a fiação elétrica do complexo esportivo e pela quebra dos vidros da coordenação — relata o assessor do colégio, Eduardo Fortunato Machado.

Em Joinville, funcionários da escola estadual Governador Celso Ramos, uma das unidades referência no ensino médio da cidade, classificam como precária a segurança da unidade. Cerca de 1,4 mil estudantes frequentam, diariamente, a instituição.

— Temos um vigia de dois turnos, mas a escola funciona em três turnos, entre 10h e 22h. Na parte da manhã a escola fica desatendida nesse sentido, apesar de termos câmeras em toda a unidade — conta a secretária da escola, Cristiano Maria Borba.

O que diz a Secretaria da Educação

Por nota, a Secretaria de Estado da Educação, esclareceu que as câmeras de monitoramento, sensores e vigilância humana são distribuídas de acordo com as necessidades da escola e que “os portões ficam fechados durante o período de aula para melhor controle da circulação de pessoas”. Atualmente a rede estadual atende cerca de 100 mil alunos.

A secretaria ainda destaca que “o apoio da Polícia Militar, da Guarda Municipal e dos Conselhos Comunitários de Segurança existentes em diferentes bairros realizam rondas periódicas nas escolas”.

Na quinta-feira, o secretário da pasta, Natalino Uggioni, em entrevista à Rádio CBN, lamentou o ocorrido em Suzano (SP) e reforçou que a segurança é uma preocupação permanente da secretaria. Uggioni disse ainda que o ocorrido em São Paulo é “mais um motivo para que se reforce o cuidado com a educação para que Santa Catarina nunca passe por isso”.

— É um ponto de atenção que requer, como vários outros aspectos da educação, o nosso olhar atento e cuidado. Independentemente dos profissionais ou de qualquer sistema de segurança que a gente tenha, precisamos trabalhar com os profissionais da educação para estarem atentos e vigilantes para que, a qualquer sinal suspeito, agir imediatamente — destacou.

Já sobre o sistema de segurança nas unidades de ensino, Uggioni reforçou que há, de acordo com as necessidades de cada colégio, vigias presenciais e o monitoramento por imagem. Disse que “se sentirmos necessidade de colocar vigilância presencial nas que não tem, a gente vai providenciar”, mas que, do que vem acompanhando, percebe contento.

Deputados defendem gestão compartilhada nas escolas

O assunto da segurança nas escolas também foi pauta na Assembléia Legislativa (Alesc) na semana que passou. Uma indicação dos deputados Ana Caroline Campagnolo (PSL) e Onir Mocellin (PSL) pediu que a gestão das escolas estaduais de Santa Catarina passe a ser compartilhada, entre a Secretaria de Educação e a Secretaria de Estado de Segurança Pública. A justificativa da proposta é garantir “educação de qualidade na rede pública” e “enfrentamento da violência”.

Enviado ao governador e às duas secretarias, o documento afirma que a inspiração é o modelo adotado este ano no Distrito Federal, onde algumas escolas passaram a ter a gestão compartilhada. Nesse modelo, a Secretaria de Educação fica a parte pedagógica, e a Polícia Militar, com administração e disciplina. O modelo permite que a Secretaria de Segurança invista verbas nas escolas – na estreia, foram repassados R$ 200 mil.

As escolas escolhidas para o projeto piloto, no Distrito Federal, estão em áreas vulneráveis. Reportagem exibida pelo Fantástico, na Rede Globo, em fevereiro deste ano, mostra que os alunos estão se sentindo mais seguros. Mas o modelo também gera críticas de especialistas em educação - especialmente quanto à militarização, como a adoção de uniforme militar e ao padrão para o cabelo: meninos têm que manter bem curto, e meninas têm que prender o cabelo em um coque.

Deixe seu comentário:

publicidade