nsc
dc

Tragédia

Serviço Médico conclui laudo sobre causa da morte de família catarinense no Chile 

Resultado será divulgado somente após familiares serem informados. Corpos serão reconhecidos nesta quarta (29)  

28/05/2019 - 19h59 - Atualizada em: 29/05/2019 - 06h29

Compartilhe

Por Guilherme Simon
família no chile
Família de Biguaçu, na Grande Florianópolis, passava férias em Santiago, no Chile
(Foto: )

O Serviço Médico Legal do Chile concluiu a perícia nos corpos dos seis brasileiros encontrados mortos em um apartamento em Santiago na quarta-feira passada (22). A causa da morte, porém, será divulgada somente após os familiares das vítimas serem informados, atendendo a uma conduta ética adotada pelas autoridades chilenas.

De acordo com o diretor-geral do Serviço Médico Legal, Jorge Lopez, os laudos com os resultados foram encaminhados para a Polícia de Investigação do país. Ainda segundo ele, os familiares das vítimas, que chegaram na noite de segunda-feira (27) a Santiago, devem fazer o reconhecimento dos corpos nesta quarta (29).

Jorge Lopez também explicou que, como os laudos do Serviço Médico já estão prontos, o processo para a liberação dos corpos será mais rápido. Ele dependerá apenas dos trâmites burocráticos que envolvem o traslado junto ao Ministério da Saúde e às companhias aéreas.

As informações são do repórter Ricardo Von Dorff, da NSC TV, que está em Santiago.

No Brasil, a família das vítimas pretende fazer um velório coletivo em Biguaçu, na Grande Florianópolis, onde quatro dos mortos moravam.

A polícia chilena investiga o que causou a morte da família brasileira. A principal suspeita é de que eles tenham sido intoxicados por gás, possivelmente monóxido de carbono.

As vítimas

Entre as vítimas da tragédia no Chile, cinco são catarinenses: o casal Fabiano de Souza, 41 anos, e Débora Muniz Nascimento de Souza, 38 anos, e os dois filhos deles, Karoliny Nascimento de Souza, que completaria 15 anos na semana passada, e Felipe Nascimento de Souza, 13. A família morava em Biguaçu.

O outro catarinense é Jonathas Nascimento Kruger, 30 anos, que é irmão de Débora. A mulher de Jonathas, Adriane Krueger, de Goiânia, também morreu na tragédia. O casal morava em Hortolândia, em São Paulo.

Leia também:

Provável causa de tragédia no Chile, monóxido de carbono é "altamente letal", dizem especialistas

Apartamento no Chile em que catarinenses morreram estava sem vistoria

Guia de turismo relata como foi o resgate da família catarinense morta no Chile

Assine o NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais do DC, AN e Santa e aproveitar os descontos do Clube NSC. Acesse assinensc.com.br e faça sua assinatura.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

Colunistas