nsc

publicidade

Assembleia

Servidores municipais de Blumenau decidem manter negociações salariais

Cerca de 700 pessoas participaram de assembleia nesta terça-feira à tarde em frente à prefeitura

29/03/2016 - 16h17 - Atualizada em: 29/03/2016 - 17h29

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Mesmo com a oferta de reajuste de pouco mais de 3% - apenas 25% do pleiteado pela categoria - os servidores municipais de Blumenau optaram por não deflagrar a greve em assembleia na tarde desta terça-feira em frente à prefeitura. A maioria dos 700 trabalhadores presentes decidiu por retomar as negociações com o Poder Executivo.

::: Servidores municipais analisam proposta de reajuste salarial de 3%

Os servidores votaram em duas opções: dialogar com os colegas para construir o movimento de greve para a próxima assembleia ou deflagrar a paralisação a partir desta terça-feira. Os dirigentes do sindicato temiam que a greve fosse aprovada pelos presentes e não fosse cumprida pela maioria da categoria, o que poderia causar desgaste para o movimento.

Nesta quarta o governo de Napoleão Bernardes (PSDB) fez uma nova proposta: conceder 1% de aumento real em 1° de abril e 2% referente ao reajuste do INPC em 1° de maio, levando em conta o salário já reajustado em abril, o que resultaria em pouco mais de 3%, nos cálculos do Sindicato Único dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Blumenau (Sintraseb). O acordo que pôs fim à greve de 2014 - e que virou lei - estabeleceu a reposição integral do INPC (que gira em torno de 11%) mais 1% de ganho real.

- Estamos em uma defasagem de no mínimo 9% de perda salarial. Obviamente a categoria não acata isso e voltaremos a negociar com o governo e tentar avançar na proposta - avalia a coordenadora geral do Sintraseb, Sueli Adriano.

Assunto não deve ir para a Câmara

A prefeitura não deve encaminhar à Câmara de Vereadores um novo projeto que estabelece os reajustes salariais pois a Lei Complementar nº 932 de 2014 já determina o reajuste de 1% sobre a remuneração do mês de abril de 2016, com efeitos financeiros a partir de maio.

O secretário de Gestão Governamental, Paulo Costa, afirma que a administração irá aguardar o INPC de abril _ que deve ser divulgado na primeira quinzena de maio _ para avaliar o que é possível conceder a mais de reajuste.

- No começo de maio iremos reavaliar se é possível avançar além do 1% mais 2%. A mesa de negociação continua em aberto para continuar conversando nesse período - disse.

Pauta de lutas

Os servidores também lutam pela revisão da tabela salarial iniciando pelos menores salários e hora-atividade para os profissionais do magistério. Segundo a lei federal, os professores têm direito de reservar 33% da carga horária para as atividades pedagógicas, como preparação das aulas e correção de provas, para não utilizarem tempo de descanso.

Deixe seu comentário:

publicidade