nsc

publicidade

Violência

Sites e aplicativos expõem casos de assédios sofridos por mulheres em Blumenau

12/12/2015 - 09h06

Compartilhe

Por Redação NSC
Jerusa da Silva Horácio relata que muitos homens ficam olhando ela amamentar a filha: "Esquecem de que somos todos mamíferos"
Jerusa da Silva Horácio relata que muitos homens ficam olhando ela amamentar a filha: "Esquecem de que somos todos mamíferos"
(Foto: )

De repente o assunto começou a fazer parte das conversas, do ponto de ônibus aos programas de TV. O assédio sofrido por mulheres nas ruas, encarado como algo rotineiro, mas velado, começou a ser exposto. Em Blumenau as mulheres que já haviam começado a se manifestar contra as populares cantadas em setembro deste ano, com a adesão à campanha Oktober Sem Machismo, agora usam as redes sociais e a tecnologia de aplicativos e sites de denúncia para apontar os locais com maior incidência de abordagens. No site Chega de Fiu Fiu, 11 assédios foram sinalizados e no aplicativo Sai Pra Lá as denúncias passam de 37.

O número seria ainda maior se todas, de alguma forma, denunciassem o assédio sofrido nas ruas. A vendedora que enquanto oferecia um produto na rua foi indagada se também vendia o corpo se calou. A gestante que ouviu estar ainda mais gostosa com aquela "barriguinha" se indignou, mas seguiu em frente. A mulher que sentiu medo porque um homem a perseguia desde o ponto de ônibus até a esquina de casa também emudeceu. Estes relatos são reais, de blumenaenses que não quiseram se identificar e, embora tenham se sentido invadidas, não levaram a história adiante.

Leia as últimas notícias de santa.com.br

Apesar das mulheres não seguirem com as denúncias, segundo Georgia Faust, representante do coletivo feminista Casa da Mãe Joana, criado há dois anos em Blumenau, o assunto tem tomado força graças às redes sociais e sites, onde as mulheres têm se encontrado e se unido em prol de pautas em comum. Ela conta que não imaginava que mais de 800 mulheres se declaravam feministas na cidade, e nem saberia se a página do coletivo não existisse no Facebook.

- Apesar de eu não acreditar em "militância de Facebook", pois acredito que as grandes mudanças vêm das ruas, ainda penso que a internet é uma ferramenta importantíssima de debate e articulação para os grupos minoritários - conta.

Em tese, toda pessoa tem o direito de ir e vir, mas não há mulher que caminhe sozinha por uma rua pouco movimentada sem receio de ser assediada. Elas já estão habituadas a mudar de calçada quando encontram um grupo de homens pela frente, a pensar duas vezes na hora de escolher a roupa para ir a determinados locais e a se sentirem incomodadas ao ficar em um ponto de ônibus sozinhas à noite. Mas aos poucos estão mudando o comportamento e refletindo sobre as próprias atitudes.

- Ao longo do tempo percebi que não importa a roupa ou se você está mais arrumada, os assédios sempre acontecem - ressalta a estudante Maria Carolina Martini, 18 anos.

A psicóloga Christine Liz Moeller Gabel explica que historicamente as ruas e os espaços públicos são tidos como masculinos e o espaço privado, o lar e as atividades domésticas são vistas como femininas. A especialista explica que, por isso, alguns homens ainda se sentem à vontade para assediar mulheres.

- Importante frisar que esse assédio não é um elogio, nem uma valorização à mulher. Ele limita as liberdades individuais, fazendo inclusive com que algumas mulheres mudem seus hábitos, como evitar passar em algum local para não receber gracejos dos homens que lá trabalham - exemplifica.

Em Blumenau o incômodo das mulheres perante estas atitudes ficou mais evidente com a adesão em setembro à campanha Oktober Sem Machismo, que surgiu para expor os abusos sofridos pelas mulheres durante a festa. Mais de 3,2 mil mulheres curtiram a página e muitas relataram abusos sofridos na Oktober.

- Tudo surgiu pelo sentimento geral de insegurança entre as mulheres e pelos casos que não são noticiados - resume Michele Greco, uma das criadoras.

Na internet

Oktober Sem Machismo

O coletivo feminista Casa da Mãe Joana, de Blumenau, criou a página no Facebook para combater o comportamento na festa.

Chega de Fiu Fiu

No site é possível cadastrar locais de assédio em qualquer lugar do país, compartilhar e tornar públicas histórias sobre violência contra a mulher.

App SaiPraLá

O aplicativo mapeia os casos e mostra para as mulheres quais são os locais onde mais ocorrem assédios.

Vamos Juntas?

O movimento no Facebook Vamos Juntas? pretende unir as mulheres para que não deixem de fazer atividades por medo de assédio - verbal, físico ou sexual.

#PrimeiroAssédio

Milhares de pessoas usaram a hashtag para relatar a primeira vez que sofreram assédio sexual depois que uma participante do MasterChef infantil, de apenas 12 anos, sofreu uma onda de assédios virtuais. #MeuAmigoSecreto Criada espontaneamente nas redes sociais, a hashtag repercutiu na linha do tempo dos brasileiros, expondo atitudes machistas que passam despercebidas, aproveitando a brincadeira tradicional do fim de ano.

Deixe seu comentário:

publicidade