nsc
dc

Opinião

Sobre aprendizagem e vínculo

O que faz uma experiência de aprendizagem ser marcante? A Hub Escola escolheu democratizar o acesso, prezar pela diversidade e manter o vínculo com os participantes

11/09/2021 - 07h05 - Atualizada em: 13/09/2021 - 20h56

Compartilhe

Por Tech SC
Hub Escola
O jeito mais poderoso de aprender envolve conteúdos que fazem sentido, aplicação prática e vínculo com outras pessoas
(Foto: )

Gabriela Werner
(Foto: )

Qual é a experiência de aprendizagem mais marcante que você já viveu? Ao longo de 2008 e 2010, fizemos essa pergunta para centenas de executivos de empresas dentro do extinto Espaço Real de Práticas em Sustentabilidade. O que as respostas tinham em comum? 

Três coisas: 1) as pessoas nunca citavam vivências dentro de uma sala de aula convencional; 2) o aprendiz estava numa posição protagonista; e 3) a experiência sempre envolvia vínculo com outra(s) pessoa(s).

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

De lá para cá, muita coisa mudou. Nunca tivemos tanta informação disponível. Há cursos gratuitos das mais famosas universidades do mundo na internet. Há muito mais lives, tours e cursos do que conseguimos consumir. Infelizmente, a overdose de informação às vezes vem acompanhada de ansiedade, dúvida sobre si mesmo e solidão. Mais do que nunca, precisamos de calma e de conexão conosco mesmo e com os outros.

Algumas experiências educacionais mostram o caminho. Desde 1984, o Centro Popular de Cultura de Desenvolvimento sob a liderança do Tião Rocha faz educação "em baixo do pé de manga" e transforma comunidades do Vale do Jequitinhonha por meio da cultura e da participação coletiva.

Outra experiência incrível é o programa educacional Guerreiros sem Armas, promovido pelo Instituto Elos. Com duração de um ano, ele convoca jovens transformadores para conhecer a si mesmos, colocar a mão na massa com humildade em lugares que precisam e depois replicar o impacto de forma online e presencial.

Aprender conteúdos inovadores de forma colaborativa sempre foi o DNA da Hub Escola, o festival de aprendizagem da comunidade de empreendedores do Impact Hub no Brasil inteiro. A chamada de oficinas é aberta, o Impact Hub faz a curadoria para privilegiar conteúdos inovadores e o resultado financeiro é dividido. 

> Vagas para profissionais de TI com menos experiência têm alta, aponta pesquisa

Quando desenhamos o festival de 2021 (que ocorrerá de 13 a 18 de setembro e está com inscrições abertas), pensamos: qual modelo de Hub Escola poderia servir às necessidades atuais da melhor forma? Se quase tudo já foi dito, o que sobra para o futuro?

Tendo essa pergunta como tema, a escolha foi fazer tudo online e democratizar o acesso, com a intenção de chegar a 1.000 pessoas, entre empreendedores, estudantes e profissionais em transição de carreira, que pagam quanto podem para participar. Outra escolha foi privilegiar a diversidade em tudo, dos materiais de comunicação ao convite aos participantes, passando pela seleção de facilitadores e inclusão de atividades artísticas, sensoriais e esportivas. 

> Seus dados na internet: curso pioneiro no Brasil alerta para riscos, direitos e deveres

A terceira escolha é continuar o diálogo e a prática depois do festival, por meio de trocas na plataforma online Impact.vc e novos projetos, que sempre surgem a partir do encontro de tanta gente empreendedora.

O jeito mais poderoso de aprender envolve conteúdos que fazem sentido, aplicação prática e vínculo com outras pessoas. Juntar esta receita com as novas tecnologias permite incluir mais pessoas e, quem sabe, ampliar o movimento de construção de um mundo justo e sustentável.

Leia também

Spotify permitirá cobrança por assinaturas de podcasts

Empresa de Blumenau abre vagas de tecnologia para mulheres com salário de R$ 3,3 mil

Tecnologia no combate a obras irregulares e desmatamento

Empresa com sede em Florianópolis supera iFood, Uber e 99 em pesquisa de custo-benefício

Colunistas