nsc
dc

publicidade

Imbróglio

Sociedade Brasileira de Pediatria pede cancelamento da animação "SuperDrags"; Netflix rebate

Série de cinco episódios tem estreia prevista para o segundo semestre

20/07/2018 - 18h17

Compartilhe

Por Redação NSC
"SuperDrags"
"SuperDrags"
(Foto: )

Em maio de 2018, a Netflix anunciou a produção da série SuperDrags, animação brasileira sobre a história de três jovens que se transformam em drag queens super-heroínas. A série de cinco episódios e feita pela Combo estúdio tem estreia prevista para o segundo semestre.

A plataforma de streaming indicou desde o começo da divulgação que a produção era destinada para adultos, assim como Rick and Morty, BoJack Horseman e Big Mouth. Entretanto, isso não impediu que grupos de pais, anti-LGBT e religiosos nacionais e internacionais espalhassem fake news alegando que a Netflix está criando animações para "incentivar a homossexualidade nas crianças" e criando campanhas de boicote à plataforma de streaming.

O imbróglio chegou a tal ponto, que a Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou uma nota nesta segunda-feira (16), na qual pede o cancelamento da animação sob a justificativa de que ela estaria disponível para crianças:

— A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), em nome de cerca de 40 mil especialistas na saúde física, mental e emocional de cerca de 60 de milhões de crianças e adolescentes, vê com preocupação o anúncio de estreia, no segundo semestre de 2018, de um desenho animado, a ser exibido em plataforma de streaming, cuja trama gira ao redor de jovens que se transformam em drag queens super-heroínas — disse a entidade.

Em resposta, a Netflix publicou outra nota em que frisa que SuperDrags é uma produção destinada a audiência adulta e não estará disponível na plataforma infantil. Confira o texto na íntegra:

— A Netflix oferece uma grande variedade de conteúdos para todos os gostos e preferências. Super Drags é uma série de animação para uma audiência adulta e não estará disponível na plataforma infantil. A seção dedicada às crianças combinada com o recurso de controlar o acesso aos nossos títulos faz com que pais confiem em nosso serviço como um espaço seguro e apropriado para os seus filhos. As crianças podem acessar apenas o nosso catálogo infantil e colocamos o controle nas mãos dos pais sobre quando e a que tipo de conteúdo seus filhos podem assistir — afirmou o serviço de streaming.

Deixe seu comentário:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade