Um casamento surpresa já desperta curiosidade. Imagine então quando o responsável pela organização não é nenhum dos noivos e a cerimônia acontece dentro de uma churrascaria. Loucura? Essa é a história de Gabriela Lima Meneguetti, 27, e Marlon Ribeiro Pedroso, 28, moradores de Blumenau que trocaram alianças no último sábado (25). A celebração foi organizada pela sogra da noiva. 

Continua depois da publicidade

Diferente do que você provavelmente possa ter imaginado, Gabriela amou a surpresa.

> Clique aqui e receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

Juntos há seis anos, Marlon e Gabriela noivaram em fevereiro. Ela sempre sonhou com um casamento tradicional, com direito a véu e grinalda, padrinhos e a bênção do pastor da igreja evangélica que frequentam. Na hora de fazer os orçamentos, porém, o alto custo para tirar o desejo do papel fez os planos mudarem. Os dois decidiram usar o dinheiro que tinham para reformar a casa nova. A vontade de uma festa cheia de pompa, então, ficou guardada para depois.

— Aí entramos em um acordo que iríamos focar na nossa casa, casaríamos no civil, no cartório mesmo, jantaríamos com as nossas famílias e só — conta Gabriela.

Continua depois da publicidade

Como a esteticista é avessa à organização, pediu ajuda para a sogra, Lucimeia Ribeiro Martins. As tentativas delas de encontrar um local para o jantar não deram certo, foi aí que a mãe de Marlon teve a ideia da surpresa. Combinou com o filho, a mãe da noiva, Sylviane Lima, e o pai do noivo, Eliseu Pedroso, que contribuíram financeiramente, e começou a procurar os profissionais que tornaram o suposto jantar em uma festa de casamento.

Gabriela sabia apenas que casaria no civil, com a benção do pastor, em uma churrascaria às margens da BR-470, em Gaspar, que estaria aberta ao público. Uma mesa com um bolo de casamento seria o único detalhe no local para marcar o momento. 

Puro engano.

Encontrou naquela noite o estabelecimento reservado para a cerimônia, com a entrada cheia de luzes como sonhava, decoração, fotógrafos, padrinhos, testemunhas, música, cabine de fotos, uma mesa completa com bolo e docinhos, daminhas, pajem e, claro, o vestido de noiva.

Surpresa boa

— O vestido da noiva era minha maior preocupação. Tirei as medidas da Gabi com a desculpa de que procuraria o vestido simples que ela queria para o jantar e arrisquei — relembra Lucimeia.

Continua depois da publicidade

Ao chegar, Gabriela foi levada direto para uma sala, de onde ouviu de toda a família o que havia sido arquitetado. Aos poucos, foi entendendo que os convidados não a esperavam apenas para o jantar, mas sim para uma cerimônia. No momento em que viu o vestido, o semblante foi de choque.

— Foi uma emoção que não tem como descrever — resume.

O vestido por pouco não fechou, mas ficou perfeito no corpo de Gabriela. Levada pelo pai, Menega Meneguetti, que tinha a ajudado com os gastos do penteado e maquiagem, mas também não sabia da surpresa, chegou ao altar. No caminho, foi descobrindo os padrinhos e madrinhas, surpreendendo-se com os detalhes do próprio casamento.

— Sobre achar ruim por não ter organizado o próprio casamento… Eu não sou assim. Eu não ia ter paciência de organizar nada. A Lu sabe meus gostos, sabe as cores que prefiro, sabe tudo sobre mim praticamente. É como uma segunda mãe, uma amiga. Ela foi a pessoa perfeita para fazer isso — afirma.

A Lua de Mel seguiu conforme o planejado: em casa, reformando cada cantinho do lar que agora passam a construir juntos.

Continua depois da publicidade

Leia também

Têxtil de Pomerode abre nova fábrica em Mirim Doce e mira outra em São Bento do Sul

Startup de Blumenau assina contrato com o Nubank

Projeto prevê a construção de dois galpões industriais gigantes em Blumenau

Assista ao especial sobre a BR-470

Destaques do NSC Total