Superdrones começaram a ser usados nesta semana na guerra contra os maruins em Luiz Alves, no Vale do Itajaí. O município enfrenta uma infestação dos mosquito e chegou a decretar situação de emergência por causa dos transtornos gerados pelo Ceratopogonidae. Esse é o nome científico do pequeno inimigo dos moradores da cidade de aproximadamente 13 mil habitantes.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do Vale do Itajaí por WhatsApp

Os equipamentos têm capacidade para armazenar 20 litros do controlador biológico de maruins desenvolvido por pesquisadores a pedido da prefeitura de Luiz Alves. A primeira etapa de pulverização, que avalia o desempenho do trabalho com drones, ocorreu na quinta-feira (18) em áreas escolares e de maior circulação de pessoas.

Daqui a 15 dias um reforço deve ser feito.

A expectativa é de que em um mês os resultados da ação sejam sentidos, afirma o prefeito Marcos Pedro Veber. Ele explica que o produto é biológico, feito a partir rejeitos da fabricação de cerveja e não leva químicos na composição. Ainda segundo o gestor, o controlador altera o pH dos ovos do mosquito e impede que nasçam mais maruins, controlando a reprodução do inseto.

Continua depois da publicidade

Além da pulverização com drones, se estuda a possibilidade de fazer a aplicação com bombas.

Assista vídeo da pulverização com drones

De olho nos bananais

O maruim é uma espécie comum em áreas de manguezais e em plantações de banana. Não à toa, é velho conhecido dos moradores de Luiz Alvez, pois a cidade se destaca na produção dessa fruta, com expectativa de produzir neste ano mais de 130 mil toneladas nos 4,2 mil hectares. Mas combinações climáticas podem ter contribuindo para a infestação descontrolada.

— O maruim adora matéria orgânica e umidade. Então onde você tem matéria orgânica no solo, por exemplo dentro de um bananal, na beira de um rio, no gramado de uma casa, e tem umidade, isso favorece a reprodução, a postura dos ovos, o desenvolvimento das larvas e, por consequência, os mosquitos. Logo, períodos de muita chuva, muito calor, são sempre muito propícios — explica o entomologista e professor Marcelo Diniz Vitorino.

Para equilibrar a importância econômica dessa cultura com o bem-estar dos moradores, atormentados hoje pelas picadas do mosquito, o prefeito cita uma parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri). A expectativa é que o órgão ajude os agricultores a encontrar técnicas de manejo eficientes para reduzir a matéria orgânica oriunda do bananal.

Aliás, os trabalhadores das plantações têm sofrido fortemente por causa dos maruins. A praga não prejudica o cultivo, mas tira a paz dos agricultores. É que antes da infestação, a presença do mosquito era tolerável e o repelente dava conta de mantê-lo longe das pernas e braços. Mas com o prlblema, é quase impossível trabalhar sem ter de usar roupa comprida.

Continua depois da publicidade

Na propriedade de Henrique Mittelmann tem sido difícil encontrar pessoas dispostas a ajudar na lavoura.

— Tem muitos trabalhadores que já vieram, ficam para um dia de serviço, depois não voltam mais por conta do maruim, que atrapalha muito — conta.

O que é o maruim, inseto que provocou “caos” em cidade de SC

Veja fotos da infestação em Luiz Alves

Febre Oropouche

O maruim é um dos responsáveis pela febre oropouche. Entre os sintomas estão febre, dor de cabeça e muscular e manchas na pele. Segundo o Ministério da Saúde, casos isolados e surtos foram registrados na região Amazônica, mas não há registro da doença no Sul do Brasil. Entretanto, o prefeito de Luiz Alves conta que o município e a Secretaria de Estado da Saúde estudam a possibilidade de analisar amostrar de sangue de moradores da cidade coletadas por suspeita de dengue e que os resultados derem negativos.

Continua depois da publicidade

O objetivo é que o Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (Lacen/SC) possa apurar se existe a transmissão da febre oropouche na região.

A chegada do inverno deve reduzir a proliferação do mosquito. Um dos motivos é porque as fêmeas da espécie precisam de algumas substâncias que existem no sangue humano, como ferro, aminoácidos e proteínas, para amadurecer seus órgãos reprodutivos e larvas. Com o frio, as pessoas andam mais cobertas e logo reduzem a chance do maruim picar. Mas apesar de uma trégua a vista, não é possível baixar a guarda.

Assim como o Aedes aegypti, os ovos são resistente e podem esperar por muito tempo para eclodir, inclusive passando de uma estação para outra.

Leia mais

Governo amplia vacina da dengue para outras faixas etárias: saiba como será em Santa Catarina

Continua depois da publicidade

Fila de espera para cirurgias trans pelo SUS em Santa Catarina entra na mira do Ministério Público

Destaques do NSC Total