nsc

publicidade

Operação 

Suspeitos de integrar grupo ligado ao tráfico de drogas são presos em SC

Maioria das prisões foi em Florianópolis, no Sul da Ilha, onde organização atuava. Apreensões incluem armas, munições e um Camaro.

22/08/2019 - 13h27 - Atualizada em: 22/08/2019 - 13h53

Compartilhe

Por Juliana Gomes
Armas, drogas e munição foram apreendidos na casa dos suspeitos
Armas, drogas e munição foram apreendidos na casa dos suspeitos
(Foto: )

Doze pessoas foram presas temporariamente em uma operação da Polícia Civil para desarticular uma organização ligada ao tráfico de drogas e a negociação de armas em Florianópolis na manhã desta quinta-feira (22). A maioria das prisões ocorreu no Sul da Ilha. Entre as apreensões estão um Camaro e R$ 20 mil.

Os presos são suspeitos dos crimes de tráfico de drogas, organização criminosa e posse ilegal de armas. Os mandados foram cumpridos em Florianópolis, São José e Palhoça. Quatro mandados ainda estavam pendentes até o fim da manhã, um deles em Laguna. Entre os presos, está um dos principais líderes da organização, detido em flagrante desde janeiro.

A partir dessa prisão, as investigações foram deflagradas e outros membros do grupo foram identificados. O irmão do líder também é apontado como parte da chefia do grupo e foi preso nesta quinta. Na casa dele, no bairro Tapera, foram apreendidos R$ 17 mil em espécie, além de munição e a chave do Camaro.

A operação compreendeu 20 mandados de busca e apreensão e 16 mandados de prisão. Conforme o delegado Walter Loyola, da Delegacia de Combate às Drogas (Decod), a maioria dos suspeitos trabalha, mas tem um padrão de vida incompatível com a renda.

Atuação

O balanço das drogas apreendidas ainda não havia concluído até o início da tarde. Na casa de um dos suspeitos foi apreendido meio quilo de maconha.

- Eles (os criminosos) tinham grande importância no tráfico de drogas no sul da Ilha. A grande clientela são usuários de drogas que residem ali na região. A comercialização ocorria muito no Sul da Ilha, por isso, eles (os suspeitos) acabam residindo ali – explicou Walter Loyola.

As investigações sobre a origem das drogas, armas e os fornecedores do material ainda estão em andamento.

- A operação vai deixar a população mais tranquila porque teve a resposta do estado, com a presença da polícia combatendo a criminalidade, o tráfico de drogas e a posse ilegal de arma de fogo, que vai diminuir a sensação de impunidade que muitos moradores convivem – afirmou.

Até o fim da manhã, a maioria dos presos estava na Decod e uma mulher havia sido levada para a Penitenciária da Agronômica em Florianópolis.

Deixe seu comentário:

publicidade