nsc
an

Cara nova

Tela de 131 anos de artista alemão é restaurada em Joinville

A obra de Hugo Calgan foi encomendada para a Harmonia Lyra em 1882

18/11/2013 - 06h46 - Atualizada em: 19/11/2013 - 06h44

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Se estivesse vivo, o artista alemão Hugo Calgan certamente comemoraria o restauro de sua obra que perdura há 131 anos. Encomendado pela diretoria da Sociedade, o primeiro ponto cultural dos imigrantes alemães que chegaram a Joinville, hoje Harmonia-Lyra, ele resistiu a muitos bailes, limpezas, ação do tempo e processo mal sucedidos de restauros.

O painel de óleo sobre tela com medidas generosas - são mais de três metros de óleo sobre tela - foi beneficiado pelo Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec), com R$ 29,8 mil destinados para a restauração, iniciada na semana passada.

Conhecido informalmente como Pano de Boca do Teatro da Harmonia Lyra, utilizado literalmente como pano de fundo em peças teatrais e orquestras, a tela funcionava também como uma espécie de cortina, sendo dobrada e utilizada em diversas ocasiões. Medindo 2,40 x 3,92m, a tela retrata Willian Shakespeare e a rainha Elizabeth 1ª da Inglaterra em um jardim interno, cercado de folhagens e flores, um pavão e outros personagens.

A estimativa é que o processo de restauração dure até seis meses, segundo o restaurador de bens móveis Alexander Matile. O processo de restauração é dividido em etapas. A primeira, já iniciada é a limpeza química, um trabalho extremamente minucioso, feito com uma solução líquida e aplicada com uma haste de madeira e algodão por toda a extensão, na frente e atrás da tela.

De acordo com Matile, o período de conclusão é de aproximadamente um mês. Depois de limpo, é feita a avaliação das tintas, que serão importadas da Itália. Por último, será realizada a reintegração da pintura, processo que deve durar quatro meses. A moldura foi afetada pela ação dos insetos e será restaurada com aplicação de massa nos pontos destruídos pelos cupins e nova imunização.

- A tela teve um desgaste muito grande, perdas, restauros. Vai ser um trabalho bem complexo - explica.

Um dos integrantes da diretoria da Harmonia, o advogado Alvaro Cauduro explica o trabalho de restauro será documentado por fotos, para criar um acervo e memória da obra. A ideia é que depois de pronta, a tela fique exposta para visitação do público, principalmente para crianças e estudantes e para resgatar o espírito de espaço cultural que o local assumira desde a criação.

- Temos consciência da importância cultural da tela, como patrimônio para a sociedade - argumenta.

Colunistas