publicidade

Saúde
Navegue por

Entrevista

"Todos ajudaram a deixar meu olho roxo", desabafa professora agredida por aluno em Santa Catarina

Marcia Friggi afirma que agressão é reflexo do descaso da sociedade com a educação pública no Brasil

21/08/2017 - 18h04 - Atualizada em: 21/08/2017 - 18h39

Compartilhe

Por Redação NSC
Professora de Língua Portuguesa, Marcia Friggi foi agredida com socos por aluno de 15 anos na manhã desta segunda
Professora de Língua Portuguesa, Marcia Friggi foi agredida com socos por aluno de 15 anos na manhã desta segunda
(Foto: )

A professora de Língua Portuguesa Marcia de Lourdes Friggi, 51 anos, atua há 12 anos no magistério. Docente da rede estadual de ensino de Santa Catarina e contratada em caráter temporário (ACT) no município de Indaial, no Vale do Itajaí, para trabalhar numa unidade de Ensino de Jovens e Adultos (EJA), ela foi agredida com tapas e socos por um aluno, quando levou o adolescente de 15 anos à direção.

Leia também:

Professora é agredida por aluno em Indaial, no Vale do Itajaí

Foi a primeira vez que dava aula para aquela turma do EJA e garante que não conhecia o rapaz que a agrediu. Os pontos no supercílio e o olho roxo não desanimam a professora, que se define como uma guerreira e está disposta a ser a voz do "magistério abandonado". Confira a entrevista exclusiva concedida ao Diário Catarinense:

Como foi o episódio?

Eu relatei ali no Facebook (veja o post em detalhes, abaixo), não sei como eu consegui fazer aquilo, mas foi exatamente o que aconteceu. O aluno estava com o livro sobre as pernas e, como eles costumam usar muito celular e fone de ouvido, a nossa grande luta é para que nos escutem, porque eles ficam em sala de aula usando WhatsApp e escutando música. Tenho toda a turma como testemunha, inclusive usei as palavras "por favor" e "por gentileza". Falei: "por gentileza, coloque o livro sobre a mesa". Ele falou: "não, eu coloco o livro onde eu quiser". Aí eu disse: "não é bem assim". Ele respondeu: "vai se f...". Então, disse para ele ir à secretaria, à direção. Então ele jogou o livro na minha cabeça, mas não machucou, não fez nada. Eu estava estranhamente calma, uma força divina que deixa a gente calma antes de acontecer uma barbaridade dessa. Na direção, na frente da diretora e da secretária, elas não tiveram como reagir assim como eu não tive, eu relatei com calma o que tinha acontecido na sala e que ele jogou o livro na minha cabeça. Ele disse que eu tava mentindo. Falei: "como mentindo?". Mas não deu tempo de dizer mais nada, ele começou a me agredir com tapas e no final ele me desferiu um soco que me jogou contra a parede. O meu olho tu não tens noção de como está agora, totalmente fechado, completamente roxo. E segundo o médico que fez a sutura, amanhã vai estar pior ainda.

O que foi feito depois desse episódio?

A secretária e a diretora ajudaram a me encaminhar. Um colega me acompanhou, me deram atenção, até a delegacia. Fiz o boletim de ocorrência e depois fui até o hospital fazer a sutura. Na delegacia, pediram para fazer exame de corpo de delito em Blumenau e demorei horas. 

Esse rapaz já tinha apresentado algum comportamento agressivo?

Como é EJA (unidade de Educação de Jovens e Adultos), a gente recebe as turmas de 17 em 17 dias. Hoje era meu primeiro dia com essa turma e eu não conhecia esse rapaz. 

Trabalhava há tempo com essas turmas? 

Eu tenho experiência. Em 2015, 2016 e 2017 trabalhei com EJA e em 2013 também. São alunos mais difíceis especialmente no turno da manhã. No da noite, não, porque são pessoas que já estão no mercado de trabalho e perceberam a necessidade de completar os estudos. Mas na parte da manhã nós temos alunos bastante problemáticos. 

Já havia passado por alguma situação como essa ou com algum colega?

A situação está bem difícil para os professores. Escutar palavrão é uma coisa comum, não fui a única, acontece todos os dias. Agressão física é mais rara, graças a Deus. Mas, infelizmente, aconteceu. 

No seu post, comenta sobre lutar para que isso não aconteça mais. O que pretende fazer?

Não sei dizer, é muito recente. Eu sou uma mulher muito forte, muito guerreira, se eu tiver que ser voz do magistério brasileiro, que está muito abandonado, eu vou ser, até o meu último dia. Inclusive a mídia está nos abandonando, a sociedade, o governo, as famílias, todos têm culpa. Todos ajudaram a deixar meu olho roxo. 

E por onde começar essa mudança em sala de aula?

Precisa haver um resgate na valorização do professor, em todos os níveis. Não apenas que governos nos reconheçam e nos valorizem, a sociedade precisa voltar a nos valorizar. Nós estamos reféns. Existe uma geração que não soube educar seus filhos e querem que a gente ensine e também eduque. 

Quanto tempo deve ficar afastada?

Não sei. O médico disse para eu ficar sete dias afastada porque não existe a menor possibilidade de eu dar aula com um olho fechado. 

Que tipo de providência gostaria que fosse tomada em relação ao rapaz?

Eu fiz o boletim de ocorrência, o que eu tinha que fazer, eu fiz. O resto, a vida vai se encarregar. A vida vai ser bem mais rude com ele do que eu fui. Eu não tenho nada a dizer para esse rapaz, o que eu queria dizer para ele era dentro da sala de aula, mas ele não quis escutar como aluno. Eu só tenho a dizer para os meus bons alunos, que são respeitosos, que respeitam seus pais, que são solidários a mim. A eles, sim, eu tenho muitas coisas bonitas a dizer. 

Leia também:
Professora é agredida por aluno em Indaial, no Vale do Itajaí

Adolescentes são suspeitos de ameaçar professor de morte em Rio do Sul

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação