nsc
dc

Homicídio

Tropeço em jogo de futebol acaba em assassinato em SC; suspeitos vão seguir presos

A discussão não terminou em quadra e dias depois, os três homens, todos armados, atiraram contra a vítima que estava em casa

26/07/2021 - 15h45 - Atualizada em: 26/07/2021 - 16h08

Compartilhe

Diane
Por Diane Bikel
Caso aconteceu em agosto de 2020
Caso aconteceu em agosto de 2020
(Foto: )

Três pessoas que mataram um homem em Chapecó, em agosto de 2020, após uma desavença em um jogo de futebol, tiveram o habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) nesta segunda-feira (26). Durante a partida, a vítima teria tropeçado em um dos adversários - um dos três suspeitos - que não aceitou o pedido de desculpas e, armado, junto com dois irmãos, teria matado Leonir Inácio Cardoso. Os detalhes do crime constam na denúncia.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Tudo teria começado após um tropeço durante um jogo de futebol no dia 9 de agosto de 2020, no Loteamento Nova Vida, em Chapecó. A discussão não terminou em quadra, e dias depois, os três homens, todos armados, atiraram contra a vítima que estava em casa com o filho e a esposa, ainda de acordo com a denúncia. Os disparos foram feitos diretamente na cabeça de Leonir, que teve traumatismo craniano encefálico, segundo o laudo pericial.

A vítima morreu na hora.

> Daiane dos Santos revela racismo na seleção: “Não queriam usar o mesmo banheiro”

A família afirma que, mesmo depois da morte de Leonir, recebeu ameaças dos três suspeitos, que teriam também colocado fogo em pertences da irmã. Cerca de uma semana depois, os três apontaram uma lanterna em direção a ela e a ameaçaram de morte, no caminho de casa para a igreja, segundo o depoimento. 

"Bem que eu poderia te matar agora, mas não vale a pena", disse a irmã ao descrever a fala de um dos homens durante relato.

> Criminosos de facção carioca migram para SC; 11 já foram presos

A mãe da vítima chegou a ser perseguida e em outubro teve sua casa apedrejada pelos mesmos homens. Os três foram presos em dezembro, cerca de quatro meses após o crime.

A defesa dos suspeitos entrou com pedido de habeas corpus, porém, não obteve sucesso. A audiência de interrogatório dos réus está marcada para o dia 11 de agosto deste ano e todos aguardam presos.

*Sob supervisão de Vinícius Dias.

Leia também

Mãe internada com Covid-19 conhece o filho por videochamada em Rio do Sul

Caso Vanessa: crime em Joinville é tratado como feminicídio e polícia aponta suspeitos

Intervalo entre vacinas da Pfizer deve diminuir para 21 dias, diz Queiroga

Colunistas