nsc
    dc

    publicidade

    Kiev

    Ucrânia e Rússia suspendem voos diretos

    25/10/2015 - 16h03 - Atualizada em: 18/11/2015 - 05h54

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    Ucrânia e Rússia suspenderam neste domingo os voos diretos entre ambos os países, em um novo episódio da crise bilateral que afetará milhares de passageiros.

    O último voo comercial entre Moscou e Kiev aterrissou no aeroporto principal da capital ucraniana, Boryspil, na madrugada de domingo. Desde então, nenhum avião liga essas duas ex-repúblicas soviéticas.

    O fluxo mensal de passageiros chegava a pelo menos 100.000 pessoas.

    "Nunca pensei que chegaríamos a isso", disse um dos passageiros do último voo, o analista de informática russo Aleksandre Mikhailin, de 30 anos.

    "Isso vai complicar minha vida", afirmou, relatando que costuma fazer escala em Kiev em suas idas e vindas entre Moscou e Viena.

    A proibição de voos diretos também afetará aqueles que têm familiares morando nos dois países.

    As relações entre Ucrânia e Rússia atravessam sua pior crise desde sua independência, depois que Moscou anexou a península ucraniana da Crimeia em março de 2014 e após a deflagração do conflito entre Kiev e os separatistas pró-russos do leste do país.

    Nesse contexto de hostilidades, a Ucrânia anunciou em setembro uma série de sanções contra a Rússia, entre elas a proibição de quatro companhias aéreas russas (Aeroflot, Transaero, Sibir e Rossia), que operavam voos da Crimeia após sua anexação.

    Dias depois, Moscou respondeu anunciando o fechamento de seu espaço aéreo a todas as empresas ucranianas, a partir de 25 de outubro. Em represália, a Ucrânia proibiu as atividades de todas as companhias aéreas russas em seu território.

    Os passageiros ucranianos e russos terão de fazer escala em Chisinau (Moldávia), Minsk (Belarus), ou Riga (Letônia), para voar entre os dois países.

    Esta semana, Kiev e Moscou tiveram encontros bilaterais em Bruxelas, mas não conseguiram encontrar uma solução para esse novo conflito.

    * AFP

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade