publicidade

Cotidiano
Navegue por

Pesquisa

Um em cada quatro brasileiros diz que pouso na Lua é mentira 

Pouso tripulado na Lua completa 50 anos nesta semana

16/07/2019 - 15h50 - Atualizada em: 16/08/2019 - 14h56

Compartilhe

Por Folhapress
Missão Apollo, que levou o homem à Lua, completa 50 anos
Missão Apollo, que levou o homem à Lua, completa 50 anos
(Foto: )

Cinquenta anos depois do primeiro pouso tripulado na Lua, um em cada quatro brasileiros considera que as missões Apollo jamais aconteceram. É o que revela pesquisa Datafolha realizada entre os dias 4 e 5 de julho, em 103 cidades brasileiras.

Entre os 2.086 participantes, 70% consideram que, sim, Neil Armstrong e Buzz Aldrin caminharam na Lua em 20 de julho de 1969. Já outros 26% acham que não, e 4% declararam não saber.

A pesquisa mostra uma forte correlação entre nível de escolaridade e descrença nas missões lunares. Entre os que cursaram apenas o ensino fundamental, 38% dizem que as viagens à Lua foram uma mentira e 8% dizem não saber.

No grupo dos que têm até o ensino médio, os que acham que as missões não aconteceram caem para 21%, e os que não sabem, para 3%. Por fim, dentre os que têm ensino superior, apenas 14% consideram as missões uma fraude, e só 2% dizem não saber.

Idade também parece ter tudo a ver com a percepção das missões lunares. Mas, paradoxalmente, quanto mais velho o respondente, maior a chance de ele não acreditar na ida do homem à Lua.

Na primeira faixa etária pesquisada, entre 16 e 24 anos, apenas 19% acreditam que se trate de uma farsa. Números parecidos surgem nas faixas entre 25 a 34 anos e 35 a 44 anos, mas as coisas começam a mudar de forma significativa na faixa dos 45 aos 59 anos, em que 29% afirmam ser mentira. No último extrato, 60 anos ou mais, a percepção se divide quase meio a meio entre quem diz que as missões foram verdadeiras (56%) e quem diz que foram uma farsa (36%).

Aparentemente, não faz diferença ser católico ou evangélico para formar opinião sobre as missões lunares. Em ambos os grupos, os resultados produzem um empate técnico.

No país responsável pela façanha, vira e mexe surgem pesquisas de opinião para medir o percentual da população que acredita na hipótese de fraude das missões lunares.

Em 1995, uma pesquisa da Time/CNN indicou que apenas 6% dos americanos duvidavam dos pousos na Lua. Em 1999, o Gallup fez nova medição, com exatamente o mesmo resultado. Em 2013, uma pesquisa do Public Policy Polling mediu mais uma vez a credibilidade da Apollo 11, e apenas 7% dos americanos disseram não acreditar na missão. E uma pesquisa recém-divulgada pelo Ipsos revela que hoje 6% dos americanos descredibilizam a caminhada de Neil e Buzz pelo solo lunar.

Americanos também realizaram pesquisa

Assim como a pesquisa do Datafolha no Brasil, os resultados do Ipsos também revelam, entre os americanos, uma forte correlação de nível de escolaridade com convicção na Apollo 11. Dos que têm no máximo o ensino médio nos EUA, 51% acreditam na missão, enquanto 13% duvidam e 34% declaram não saber.

A diferença lá é a questão etária. Enquanto no Brasil, quanto mais jovem, maior a chance de acreditar nas missões lunares, lá é o inverso: quanto maior a faixa de idade, mais ampla é adesão à veracidade da Apollo 11.

Os perdedores na corrida espacial aparentemente não levaram na esportiva o resultado. Uma pesquisa de 2018 do Centro Russo de Pesquisa de Opinião Pública (VCIOM) indicou que 57% dos respondentes acreditam se tratar de fraudes as missões Apollo.

Mesmo lá, em que a descrença é enorme, o efeito educacional se faz sentir. O índice dos descrentes entre quem tem só ensino médio é de 69%; entre os que tiveram ensino secundário técnico, 63%. Finalmente, entre que têm pelo menos algum ensino superior, os que desacreditam das alunissagens ficam em 49%.

Dada a discrepância entre o que se pensa na Rússia e nos EUA, será que aspectos político-ideológicos podem enviesar a questão?

Na pesquisa Datafolha, os respondentes que declaram o PSL ou o PSDB seu partido preferencial tendem mais a acreditar nas missões lunares que os entusiastas do PT e do MDB, por uma diferença de cerca de 10%.

No YouTube, alguns canais já fizeram análises sobre a ida do homem à Lua. Acompanhe:

Canal Nerdologia:

Canal Ponto em Comum:

Canal TecMundo:

Canal Café com Ciência:

Acesse as últimas notícias do NSC Total

Ainda não é assinante? Faça sua assinatura do NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais dos jornais e aproveitar os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação